GABRIELA BILÓ/ESTADÃO
GABRIELA BILÓ/ESTADÃO

Em pedido contra extradição, Battisti alega que sustenta o filho

Italiano reitera solicitação já feita por ex-mulher para não ser enviado de volta à Itália

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2017 | 13h42

BRASÍLIA - A defesa do italiano Cesare Battisti pediu em manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ele permaneça no Brasil sob o argumento de que sustenta a família. A ex-mulher do italiano, Priscila Pereira, fez a mesma solicitação em carta enviada à presidente da Corte, Cármen Lúcia.

+++ ‘Vão me entregar à morte’, diz Battisti

+++ Defesa de Battisti pede suspensão de extradição enquanto STF não julgar habeas corpus

"Destaca-se que a Sra. Priscila enviou uma correspondência, por conta própria, à Exa. Min. Cármen Lúcia, narrando a aflição que possui sobre eventual extradição do Paciente, considerando a dependência econômica e afetiva de seu filho", diz a defesa, acrescentando que Battisti "vem se esforçando para sustentar o seu filho, verificando a plena dependência econômica existente".

A defesa de Battisti diz ainda que ele não está mais casado com a Sra. Joyce, tendo se separado recentemente, e que está se reaproximando de sua antiga companheira Priscila.

MANIFESTAÇÃO

A ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, deve protocolar nesta segunda-feira, 23, no STF, mensagem do presidente Michel Temer em relação ao caso da extradição do italiano. Antes de enviar seus argumentos à Suprema Corte, entretanto, a ministra terá uma conversa final com Temer para finalizar o texto.

+++ Defesa de Battisti afirma confiar que Temer não o extraditará

+++ PF monitora Battisti no litoral paulista

Grace recebeu na semana passada os subsídios da Secretaria de Assuntos Jurídicos (SAJ) da Casa Civil, que devem estar anexados na mensagem que será protocolada no STF. O parecer da SAJ, segundo apurou o Estadão/Broadcast, argumenta que a Constituição prevê que a competência para definir se um estrangeiro fica ou não no País é do presidente da República. O parecer da SAJ não entra no mérito se Temer tem a intenção de extraditar Battisti.

Na semana passada, o ministro Luiz Fux, do STF, encaminhou para a Primeira Turma da Corte uma questão de ordem para discutir a instância onde deve ser analisado o pedido da defesa do italiano: se na própria turma, ou no plenário do STF. Por decisão de Fux, uma eventual extradição do italiano não pode ocorrer enquanto não for julgado o mérito do habeas corpus.

O presidente Temer tem dito a interlocutores que não tomará nenhuma decisão antes do STF. De acordo com um auxiliar, a depender do que os ministros da Suprema Corte entenderem, a decisão final do presidente, que era de tendência pela extradição, pode ser modificada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.