Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Santos Cruz: 'Em seis meses de governo, o que vi de dinheiro ser desperdiçado pelo ralo...'

Ex-ministro disse que redes sociais, embora sejam úteis, podem criar agitações que escondem pontos que deveriam ser mais destacados

Ricardo Galhardo e Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 13h49

Duas semanas depois de ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro, o general da reserva Carlos Alberto Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo, não escondeu o incômodo com a chamada ala ideológica do governo, a qual se atribui sua queda, e criticou o uso das redes sociais por integrantes do governo.  

Na avaliação do ex-ministro, o uso indevido das redes sociais para falar sobre temas menores acaba por encobrir as realizações do governo. “A gente percebe que, queira ou não queira, a mídia social cria uma agitação que às vezes esconde esses pontos que poderiam ser mais destacados”, afirmou. “Tem que falar menos, tuitar menos. Não é nem menos, é de uma forma mais positiva”, completou.

Em entrevista aos jornalistas Daniel Bramatti, do Estado, e Julia Duailibi, da GloboNews, no 14º Congresso Internacional da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), se recusou a sequer mencionar o nome do escritor Olavo de Carvalho, a quem é atribuída sua fritura. 

Santos Cruz revelou que, na função de ministro, chegou a falar com o presidente sobre a necessidade de um uso mais controlado das redes sociais. “Uma vez ou outra, sobre casos específicos, a gente conversou”.

“Não vou discutir sobre essa personalidade pública porque teria que baixar muito o nível do meu palavreado”, disse o general da reserva. Perguntado sobre a influência no governo do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, Santos Cruz reagiu com ironia. “Não vou falar. O pessoal já sabe”, respondeu, arrancando risos da plateia. 

'Golden shower'

Perguntado sobre o episódio em que Bolsonaro usou o Twitter durante o carnaval para divulgar um vídeo em que dois homens praticavam “golden shower”, o general respondeu: “aquele foi um dos episódios que chamou atenção para o melhor uso da tecnologia”.

Santos Cruz disse ter uma visão positiva sobre o uso das redes sociais por autoridades. Segundo ele, a ferramenta eliminou intermediários e permite o interação direta entre governantes ou candidatos e o eleitorado. O ex-ministro, no entanto, chamou atenção para o uso das redes para fins indevidos como a propagação de notícias falsas.

“Os irresponsáveis estão vivendo momentos de glória”, afirmou. Santos Cruz citou como exemplo a divulgação de uma suposta mensagem, segundo ele falsa, na qual faria críticas a Bolsonaro e elogios ao vice, Hamilton Mourão. A falsa mensagem, usada para desgastá-lo junto ao presidente, de acordo com ele revela o “comportamento de gangue” das hordas que usam as redes para tumultuar o processo político.

Falando a uma plateia de jornalistas e estudantes de jornalismo, Santos Cruz disse que a imprensa hoje tem que redobrar seus esforços para combater as fake news.

Para Santos Cruz, ao embasar suas ações no humor das redes sociais, o governo corre o erro de reproduzir distorções. Ele comparou a situação ao “assembleísmo” da esquerda. De acordo com o general da reserva, existe hoje uma espécie de “assembleísmo digital”.

O ex-ministro evitou associar as Forças Armadas ao governo. Segundo ele, apesar da grande presença de militares na Esplanada, nunca houve apoio institucional ao governo ou ao então candidato Bolsonaro. Santos Cruz refutou o risco de ruptura democrática mas alertou para a necessidade de “harmonia” entre o Executivo e os demais poderes, especialmente o Legislativo. “O risco é não saber usar as regras da democracia”, afirmou.

'Fanatismo'

De acordo com ele, “o fanatismo, tentar se comportar ideologicamente, tira qualquer capacidade de análise”. “Em seis meses de governo, o que vi de dinheiro ser desperdiçado pelo ralo...”, disse o general, sem dar detalhes.

Santos Cruz também deu detalhes sobre sua saída do ministério. Ele disse que Bolsonaro nunca disse qual foi o motivo da demissão. Segundo ele, no dia da saída o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, falou na antessala do gabinete do presidente que Bolsonaro ofereceria uma outra função, mas ele recusou.

“Não sei o motivo”, disse o general. Ele usou um verso da música “Garçom”, sucesso de Reginaldo Rossi, para ilustrar sua demissão. “Meu caso é mais um, é banal”.

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos Alberto Santos Cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.