HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Em Osasco, Campos promete 'educação em tempo integral'

Candidato falou também de aumento do investimento em saúde

ANA FERNANDES, Agência Estado

28 de julho de 2014 | 12h21

O candidato a presidente Eduardo Campos (PSB) afirmou que a correção dos rumos da política econômica somada a programas sociais "transformadores" é o caminho para reduzir as desigualdades sociais no País. Ele voltou a criticar o baixo crescimento econômico, a alta inflação e a subida recente da taxa básica de juros. Citou entre os programas "transformadores" o aumento do investimento em saúde e a educação em tempo integral, que promete universalizar em quatro anos. "Essas são as políticas públicas que libertam efetivamente", disse Campos.

O candidato esteve ao lado de sua vice, Marina Silva, na primeira inauguração de uma "Casa de Eduardo e Marina" no Estado de São Paulo, em Osasco na região metropolitana da capital. As casas são espaços que a campanha chama de "autorais", em que cidadãos comuns abrem suas residências e envolvem-se voluntariamente com atividades da campanha.

O casal Maria da Paixão e Edvaldo Sevino, além do amigo do casal José Ângelo da Silva, conhecido como "Pernambuco", falaram sobre as demandas da população, principalmente relacionadas a moradia e saúde. A casa fica no bairro Jardim Aliança, ao lado de um córrego que costuma transbordar.

Questionados sobre como o governo federal pode contribuir para melhorar as condições da região, Campos e Marina falaram sobre políticas de urbanização e fortalecimento dos órgãos de Defesa Civil. "Temos que agir de forma a prevenir os desastres", disse Campos.

O candidato evitou temas polêmicos como as denúncias envolvendo o aeroporto em Cláudio (MG) e familiares do candidato tucano Aécio Neves. Ele também foi evasivo ao ser perguntado sobre discussões da campanha em torno do fator previdenciário, dizendo que não há uma posição da campanha acerca do tema. "É natural que um tema como Previdência seja tratado na campanha. Há opiniões diversas, a minha posição será a posição do programa", disse Campos.

Nas últimas semanas, pessoas ligadas à coordenação da campanha de Campos e Marina relataram discussões para propor o fim do fator previdenciário, uma pauta cara a organizações sindicais e aposentados mas que desagrada o setor empresarial. O mecanismo, em vigor desde o governo Fernando Henrique, desestimula aposentadorias precoces, reduzindo o valor de benefícios.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesEduardo CamposOsasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.