Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Em ofensiva para segurar governo, Temer reúne-se com Maia, Imbassahy e Maranhão

O encontro está fora da agenda oficial e é uma tentativa de manter a base aliada em meio às ameaças de perda de mandato

Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2017 | 09h36

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer (PMDB) reúne-se na manhã desta sexta-feira, 26, no Palácio do Jaburu com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro da Secretaria da Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), e o senador José Maranhão (PMDB-PB).

DE OLHO NO PLANALTO: EM EVENTUAL SAÍDA DE TEMER, VEJA QUEM PODE ASSUMIR

O encontro, que está fora da agenda oficial, faz parte da ofensiva de Temer de segurar a governabilidade e manter a base aliada em meio às ameaças de perda do mandato, que agora partem especialmente do Judiciário, com a proximidade do julgamento pelo Tribunal Superior Eleitora (TSE) da chapa em que concorreu à Presidência da República junto com Dilma Rousseff em 2014.

Ao mesmo tempo em que o presidente tenta encaminhar os projetos do governo no Congresso, ele tem mantido conversas constantes com sua equipe de assessores jurídicos sobre o andamento de sua defesa no TSE. O início do julgamento no TSE está previsto para dia 6 de junho.

O julgamento na corte eleitoral é visto por partidos da base como um marco que vai definir a permanência ou não do peemedebista no Planalto. O próprio PSDB aguarda seu resultado para tomar uma decisão sobre uma eventual saída do governo, segundo o presidente da sigla, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Como informou o Estadoministros do TSE, ouvidos reservadamente, consideram que a governabilidade de Temer será levada em conta no tribunal.

Auxiliares do presidente disseram que já o avisaram da realização da Operação Poço Seco, a 41ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta manhã para investigar atividades financeiras da Petrobras na África

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.