Em NY, Marina defende parceria maior entre Brasil e EUA

Para a candidata do PV, colaboração pode ser aprimorada com a diminuição das barreiras ao etanol brasileiro

Luciana Xavier, da Agência Estado / NOVA YORK,

21 Julho 2010 | 14h33

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta quarta-feira, 21, durante sua passagem por Nova York, que pretende reforçar a importância da parceria comercial entre o Brasil e os Estados Unidos. "Vamos falar dos interesses comuns em termos de ambiente de negócios entre Brasil e EUA e também o quanto é importante a parceria entre os dois países. O Brasil tem dado uma contribuição importante na recuperação mundial, pois nosso País, hoje, importa mais do que exporta", afirmou.

 

Blog de Marina diz que Eduardo Jorge é ‘pai’ dos genéricos

 

Marina disse que os EUA também podem dar contribuição importante na parceria com o Brasil removendo a taxação sobre o etanol. A candidata participa, nesta quarta-feira, de almoço com empresários e investidores em Nova York, promovido pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. A candidata irá falar no evento sobre sua plataforma econômica.

 

Ela disse, antes do almoço, que os fundamentos da economia brasileira devem ser mantidos. "Tivemos uma política econômica nos últimos 16 anos que foi favorável à economia interna e externa. O Brasil passou pela crise internacional sem grandes sobressaltos e o que queremos é manter o tripé da política econômica brasileira de controle de inflação, câmbio flutuante e reservas internacionais." Ela disse que, se eleita, irá buscar a redução dos gastos públicos, mas sem cortar gastos em setores importantes.

 

A candidata do PV disse que irá reafirmar aos investidores estrangeiros que o Brasil tem uma postura de paz e que os Estados Unidos também podem contribuir pela paz na questão cubana. "Com certeza, o fim do bloqueio ajudará na instalação da democracia no país (Cuba)."

 

Após o almoço com empresários e investidores, a candidata vai inaugurar a primeira Casa de Marina no exterior. Na quinta-feira, 22, Marina participará de um encontro com a comunidade financeira norte-americana em evento organizado pela BM&F Bovespa. Esta é a segunda vez em dois meses que Marina vai a Nova York para ter encontro com empresários e investidores estrangeiros.

 

Reformas

 

Um dos assessores econômicos de Marina Silva, o economista Eduardo Giannetti disse que a candidata irá abordar na reunião com investidores internacionais a necessidade de se fazer reformas com o objetivo de melhorar o crescimento potencial brasileiro.

 

O economista integra o grupo que elabora o programa de governo da candidata. "Estamos vivendo uma recuperação cíclica e vamos nos encontrar com a realidade do crescimento potencial", afirmou Giannetti.

 

Segundo Gianetti, Marina dará mais detalhes sobre a sua plataforma econômica na reunião organizada pela BM&FBovespa, quando deve enfatizar a importância da formação de capital humano e preservação do meio ambiente.

 

Ainda nesta quarta, a candidata inaugura a primeira Casa de Marina no exterior, na residência do ator e diretor de documentários Ivy Goulart, no bairro do Brooklyn.

Mais conteúdo sobre:
eleição Marina Silva Brasil EUA comércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.