Em novo artigo, Pomar responde a críticas internas do PT

O secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, escreveu um novo artigo publicado na página do partido na internet, em que ele responde às indagações do secretário petista de Finanças e Planejamento, Paulo Ferreira. Nesta semana, Pomar já havia assinado um texto criticando a recondução do deputado federal Ricardo Berzoini à presidência do PT. Na quinta-feira, em resposta, Ferreira atacou Pomar, por meio de outro artigo, em que questionava as intenções do colega, que estaria tentando "desestabilizar" Berzoini. Nesta sexta-feira, em um texto sob o título "Elementar, meu caro Ferreira", Pomar disse que o debate proposto em seu artigo anterior não é um questão pessoal, mas "interessa aos que sabem que a diferença entre escândalo e escrúpulo está no tamanho da pedra". Pomar contesta também a versão que Ferreira deu sobre a reunião da Executiva Nacional do PT, na qual Berzoini se afastou da presidência do partido. "Eu estive na mesma reunião e defendi uma opinião oposta à que Ferreira defendeu", disse. "E não me lembro que a decisão de Berzoini tenha sido referendada por todos nós, dirigentes petistas". Ele nega ainda que, durante a reunião, Berzoini tenha condicionado seu pedido de afastamento ao retorno imediato ao cargo de presidente da legenda, após o fim das investigações sobre a tentativa de compra do dossiê que seria utilizado contra candidatos tucanos. "Do que me recordo é que Berzoini escreveu, em sua carta de licença, que seu afastamento duraria o quanto fosse necessário para que o episódio ficasse esclarecido", afirmou. "Me recordo também que eu mesmo disse que ele poderia voltar à presidência, uma vez que o episódio ficasse esclarecido". Em seu artigo, Pomar diz não concordar com a versão de Ferreira, de que "Berzoini teve seu nome injustamente citado no episódio do dossiê". "No que me diz respeito, Berzoini era o responsável em última instância por um grupo que esteve envolvido no caso do dossiê", ressaltando que nunca acreditou que isso "constituísse crime". Por fim, Pomar diz não aceitar críticas por ter explicitado sua posição e não ter promovido o debate "nas instâncias", conforme havia sugerido Ferreira. "Adoraria ter feito isso, mas não foi nas instâncias que o companheiro Berzoini travou o debate a respeito de seu retorno para a presidência nacional do PT", atacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.