Em nova ofensiva, deputados e senadores lançam 'Fora, Renan!'

Grupo deve anunciar ações para pressionar o senador e dizem contar com 16 senadores e 52 deputados

Denise Madueño, do Estadão,

10 Outubro 2007 | 13h54

Um grupo de deputados e senadores lançam na tarde desta quarta-feira, 10, uma "Frente Suprapartidária pelo Afastamento Imediato" do presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), do cargo e do mandato. O "Fora, Renan!" será formalizado no Salão Verde da Câmara dos Deputados. Veja também:Jefferson Peres será relator de terceiro processo Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan    Participantes do grupo dizem que já contam com 16 senadores e 52 deputados de diferentes partidos que se reuniram em um jantar na noite da última terça-feira para montar estratégia pelo afastamento de Renan. Entre os partidos representados no grupo há parlamentares do PMDB, PSDB, PSOL, PSB, PV, PPS e DEM.  No jantar, também ficou combinado que os parlamentares procurarão setores da sociedade civil, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para intensificar as ações e manifestações pela renúncia do presidente do Senado. O deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC) disse que a intenção do grupo é reunir, por exemplo, servidores e parlamentares críticos do presidente do Senado num abraço simbólico ao Congresso.  Do jantar participaram 49 deputados de oito partidos e 13 senadores de cinco legendas. O encontro foi no apartamento do deputado José Aníbal (PSDB-SP). O efeito político do jantar, segundo os presentes, era mostrar que a crise no Senado contagiou todo o Congresso.  O motivo primeiro da reunião foi fazer um desagravo aos senadores peemedebistas Jarbas Vasconcelos (PE) e Pedro Simon (RS), destituídos, por ordem de Renan, da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Também foi condenada a suposta operação de espionagem que Renan teria encomendado contra os senadores de oposição de Goiás, Demóstenes Torres (DEM) e Marconi Perillo (PSDB).  (Com Christiane Samarco, do Estadão)   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.