Em nota, Sarney explica contradições de discurso

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), divulgou nota hoje para explicar as contradições apresentadas ontem por ele no seu discurso de defesa no plenário, que inclui as suspeitas de emprego de parentes e privilégios a favor de um neto em operações de crédito na Casa. O senador diz que "refuta" as insinuações de nepotismo cruzado. Ontem, aos colegas, ele responsabilizou aliados pela nomeação de parentes da família Sarney.

LEANDRO COLON, Agencia Estado

06 de agosto de 2009 | 13h31

O peemedebista também afirmou que, no discurso, disse desconhecer Rodrigo Miguel Cruz, que seria funcionário da filha e governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e não Rodrigo Lima Cruz, genro do ex-diretor-geral Agaciel Maia, que se casou no dia 10 de junho com a filha de Agaciel Maia, Mayanna, e Sarney foi padrinho de casamento. Em uma foto, o parlamentar aparece ao lado do casal no dia da cerimônia. No telão apresentado ontem pelo parlamentar em plenário, o nome que apareceu era apenas "Rodrigo Cruz".

Sarney também mudou a versão sobre Luiz Cantuária, a quem disse desconhecer ontem. Hoje, o senador afirmou que o conhece por outro nome, Lucas Barreto. "Trata-se de pessoa que nunca conheci com esse nome, e sim como Lucas Barreto, como é conhecido por todos no Amapá o ex-deputado federal e ex-candidato a prefeito."

No discurso, Sarney afirmou que seu neto José Adriano Cordeiro Sarney "nunca" teve qualquer relação com o Senado. O jovem é dono da empresa Sarcris, intermediária de empréstimos consignados investigados pela Polícia Federal (PF). Hoje, Sarney tentou corrigir a versão. "Expliquei no discurso, com documentos, toda a sua relação com o HSBC e deste com o Senado. O resto são considerações pessoais e ilações sem importância, que não me cabe contestar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.