Em nota, PSB diz que não terá candidato próprio, mas afaga Ciro

Comissão Executiva do partido defende a continuidade da aliança entre PSB e PT

Carol Pires - estadão.com.br

27 de abril de 2010 | 18h21

Em nota lida no fim da tarde desta terça-feira, 27, pelo presidente nacional do PSB, Eduardo Campos (PE), a Comissão Executiva Nacional anunciou que o partido não terá candidato próprio à sucessão de Lula em outubro, defende a continuidade da aliança entre PSB e PT, mas afaga Ciro Gomes, a quem o partido não endossará os planos de se lançar na corrida presidencial.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifCiro Gomes está fora da disputa presidencial

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif'Para mim, Ciro sempre foi um parceiro', afirma Dilma Rousseff

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifEspecial: Ex-promessa política, Ciro é escanteado pelo PSB

 

A nota foi divulgada após reunião da cúpula do partido, em Brasília. Leia a nota na íntegra:

 

"A Comissão Executiva Nacional do Partido Socialista Brasileiro reuniu-se nesta data em sua sede em Brasília para avaliar o quadro político-eleitoral do País e deliberar, depois de ouvidos os Diretórios Estaduais, sobre o papel a ser desempenhado pelo PSB na sucessão presidencial. Decidiu, por maioria de voto, não apresentar candidatura própria à presidência da República.

 

A Comissão Executiva Nacional avalia como correta e consequente a participação do PSB no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É dever das forças populares contribuírem para a continuidade desse projeto, a partir do qual o Brasil retomou o caminho do desenvolvimento soberano, com maior repartição de renda e menor exclusão social.

 

As eleições de outubro não estão definidas. A aliança da oposição representa um desafio real aos socialistas e outras forças populares. O PSB está pronto para ampliar sua presença nos governos estaduais e no Senado, e duplicar sua representação na Câmara dos Deputados, reafirmando-se como um partido capaz de liderar, ao lado de outros, o avanço das mudanças há tanto tempo exigido pelo povo brasileiro. Sob tal perspectiva, para o PSB a disputa das eleições em outubro, e todos os seus níveis, é um projeto estratégico, condicionado, obrigatoriamente, pelos balizamentos da conjuntura.

 

Ao patrocinar a pré-candidatura presidencial do deputado federal Ciro Gomes, enxergou o PSB, associadamente a esse projeto estratégico, a possibilidade de contribuir para o aprofundamento das mudanças iniciadas pelo governo do presidente Lula.

 

De nenhuma forma foram em vão os esforços do PSB e do deputado Ciro Gomes nestes movimentos iniciais da campanha presidencial. Administrador vitorioso em diversos níveis de governo, homem de ideias e de atos em favor do País, Ciro Gomes engrandeceu o debate republicano. Com ele, expusemos nossas propostas aos brasileiros, mobilizando a nossa militância e abrimos novas e concretas vias de crescimento partidário. O PSB permanece firme e ativo no processo sucessório. Nele, queremos somar, unir e avançar, em favor da construção de uma nação à altura das mais legítimas esperanças socialistas.

 

Brasília, 27 de abril de 2010.

 

Comissão Executiva Nacional (CEN)

 

Partido Socialista Brasileiro (PSB)".

Tudo o que sabemos sobre:
NacionalPolíticaCiro GomesPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.