Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Em nota, Maia diz que fez carreira combatendo as teses de Lula

Como presidência da República em exercício, deputado contrariou recomendação de não comentar julgamento de ex-presidente

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2018 | 19h21

No exercício da presidência da República, já que Michel Temer está na Suíça, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, contrariou a recomendação do governo de manter "silêncio" sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula de Silva e há pouco divulgou uma nota oficial para comentar a condenação. Apesar de na assinatura Maia se colocar como presidente da Câmara, o documento foi divulgado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

"Construí minha carreira combatendo, no campo da política, as teses defendidas pelo ex-presidente Lula e pelo PT. Ainda assim, quem tem responsabilidade pública, em qualquer Nação, não pode estar celebrando o dia de hoje", disse.

++ Após condenação, PT faz reunião de emergência em São Paulo

Tido como pré-candidato à eleição presidencial, Maia afirmou ainda que apesar da condenação ter sido confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, "na política, o melhor foro de enfrentamento de teses diferentes é a campanha eleitoral". "Nela, o veredicto é dado pelas urnas. Mas a campanha não começou, e quem se pronunciou hoje foi o Poder Judiciário. É necessário ouvi-lo e respeitá-lo", afirmou.

 

Maia destacou ainda que o resultado do julgamento mostra que o Brasil é uma democracia madura onde as instituições funcionam plenamente. "Toda e qualquer manifestação em relação à sentença proferida hoje, em Porto Alegre, deve respeitar a ordem institucional. Tenho certeza que o Brasil seguirá pacificamente rumo à superação", completou.

++ Entenda o que ocorre após a decisão do TRF-4

Durante todo o dia, auxiliares próximos do presidente Michel Temer diziam que a ordem era não comentar o julgamento e que não havia sentido o governo se posicionar sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.