Em nota, Itesp afirma que ação na região é prioridade

O Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) afirmou em nota que o Pontal do Paranapanema (SP) é região prioritária para a atuação do órgão. "O Itesp viabiliza a ocupação produtiva de áreas públicas e presta assistência técnica gratuita a 104 assentamentos naquela região, beneficiando mais de 5.500 famílias de pequenos produtores rurais", diz a nota. Dois assentamentos foram instalados recentemente e outros dois serão instalados entre março e abril: São Camilo, em Presidente Venceslau, para 25 famílias, e Santa Teresa, em Euclides da Cunha, para 46 famílias. "Em todo o Estado, nos últimos dois anos, foram contempladas com lotes nos assentamentos estaduais outras 282 famílias, e mais 203 adquiriram seus sítios pelo crédito fundiário, tudo a contribuir para uma reforma agrária séria, consequente e efetiva, predicados que parecem incomodar os profissionais do conflito", prossegue o texto, assinado pelo diretor executivo Gustavo Ungaro.CONVÊNIOS Entidades ligadas ao líder dissidente do MST José Rainha Júnior no Pontal do Paranapanema assinaram convênios para garantir o repasse de mais de R$ 10 milhões do governo federal. Pelo menos R$ 7 milhões já foram liberados desde 2007. Parte dos recursos está sob investigação por suspeita de irregularidades nas prestações de contas. A principal beneficiada, a Federação das Associações dos Assentados e Agricultores Familiares do Oeste Paulista (Faafop), reúne assentados que participam das invasões coordenadas por Rainha. Além da federação, os recursos beneficiaram a Associação Amigos de Teodoro Sampaio. Membros da entidade também estavam na linha de frente nas invasões de ontem. A prestação de contas de parte dos repasse, no valor de R$ 3,5 milhões, está sendo investigada pelo Ministério Público Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.