Em nota, CNBB se manifesta contrária a pontos do PNDH-3

Temas como a descriminalização do aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo foram criticados

estadao.com.br,

15 de janeiro de 2010 | 16h00

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota na tarde desta sexta-feira, 15, para manifestar sua posição em relação ao Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3). Pontos como a descriminalização do aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção de crianças por casais homoafetivos foram rechaçados pela entidade. "Em sua defesa dos Direitos Humanos, a Igreja se baseia na concepção de Pessoa Humana que lhe advém da fé e da razão natural", diz o texto.

 

Veja também:

linkLula afirma que Comissão da Verdade não é 'caça às bruxas'

linkUDR diz que reagirá por ''todos os meios lícitos'' a invasões

linkMudança no PNDH era 'previsível', diz José Aníbal

linkVannuchi considera acordo satisfatório e fica no cargo

linkLula ironiza repercussão de divergências entre ministros

 

Outro tema que tem causado polêmica é a proibição de símbolos religiosos em locais públicos. "Daqui a pouco vamos ter de demolir a estátua do Cristo Redentor", declarou o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Dimas Lara Resende no último dia 8. Para ele, há intolerância religiosa em programa que deveria promover a livre manifestação.

 

 

Leia abaixo a íntegra da nota:

 

"Declaração da CNBB sobre o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH - 3)

 

A promoção e a defesa dos Direitos Humanos tem sido um dos eixos fundamentais da atuação e missão evangelizadora da CNBB em nosso País. Comprovam-no as iniciativas em prol da democracia; as Campanhas da Fraternidade; a busca pela concretização da Lei 9840 - contra a corrupção eleitoral; a recente Campanha "Ficha Limpa"; a defesa dos povos indígenas e afrodescendentes; o empenho pela Reforma Agrária, a justa distribuição da terra, a ecologia e a preservação do meio ambiente; o apoio na elaboração dos Estatutos da Criança e do Adolescente, do Idoso e da Igualdade Racial, entre outros.

 

Neste contexto, a CNBB se apresenta, mais uma vez, desejosa de participar do diálogo nacional que agora se instaura, sobre o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH 3), tornado público aos 21 de dezembro de 2009.

 

A Igreja Católica considera o movimento rumo à identificação e à proclamação dos direitos humanos como um dos mais relevantes esforços para responder de modo eficaz às exigências imprescindíveis da dignidade humana (cf. Concílio Vaticano II, Declaração Dignitatis Humanae, 1). O Papa João Paulo II, em seu Discurso à Assembleia Geral das Nações Unidas, em 21 de outubro de 1979, definiu a Declaração Universal dos Diretos Humanos como "uma pedra miliária no caminho do progresso moral da humanidade".

 

O Brasil foi uma das 171 nações signatárias da Declaração de Viena, fruto da Conferência Mundial sobre Direitos Humanos, em 1993, sob o signo da indissociabilidade entre Democracia, Desenvolvimento Econômico e Direitos Humanos.

 

No entanto, em sua defesa dos Direitos Humanos, a Igreja se baseia na concepção de Pessoa Humana que lhe advém da fé e da razão natural. Diante de tantos reducionismos que consideram apenas alguns aspectos ou dimensões do ser humano, é missão da Igreja anunciar uma antropologia integral, uma visão de pessoa humana criada à imagem e semelhança de Deus e chamada, em Cristo, a uma comunhão de vida eterna com o seu Criador. A pessoa humana é, assim, sagrada, desde o momento de sua concepção até o seu fim natural. A raiz dos direitos humanos há de ser buscada na dignidade que pertence a cada ser humano (cf. Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral Gaudium et Spes, 27). "A fonte última dos direitos humanos não se situa na mera vontade dos seres humanos, na realidade do Estado, nos poderes públicos, mas no próprio ser humano e em Deus seu Criador" (Compêndio de Doutrina Social da Igreja, 153). Tais direitos são "universais, invioláveis e inalienáveis" (JOÃO XXIII, Encíclica Pacem in Terris, 9).

 

Diante destas convicções, a CNBB tem, ao longo de sua história, se manifestado sobre vários temas contidos no atual Programa Nacional de Direitos Humanos. Nele há elementos de consenso que podem e devem ser implementados imediatamente. Entretanto, ele contém elementos de dissenso que requerem tempo para o exercício do diálogo, sem o qual não se construirá a sonhada democracia participativa, onde os direitos sejam respeitados e os deveres observados.

 

A CNBB reafirma sua posição, muitas vezes manifestada, em defesa da vida e da família, e contrária à descriminalização do aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção de crianças por casais homoafetivos. Rejeita, também, a criação de "mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União", pois considera que tal medida intolerante pretende ignorar nossas raízes históricas.

 

Por interseção de Nossa Senhora Aparecida, imploramos as luzes de Deus, para que, juntos, possamos construir uma sociedade justa, fraterna e solidária.

 

Brasília, 15 de janeiro de 2010

 

 

Dom Geraldo Lyrio Rocha

 

Arcebispo de Mariana

 

Presidente da CNBB

 

Dom Luiz Soares Vieira

 

Arcebispo de Manaus

 

Vice-Presidente da CNBB

 

Dom Dimas Lara Barbosa

 

Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro

 

Secretário-Geral da CNBB"

Tudo o que sabemos sobre:
CNBBPrograma de Direitos HumanosPNDH

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.