Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Em nota, centrais afirmam que vão pressionar por mínimo de R$ 580

'Para que a recuperação ocorra é necessário ter aumento real, senão estaremos criando um hiato neste processo que se mostrou extremamente benéfico para o país', disse presidente

Estadão.com.br,

11 de janeiro de 2011 | 19h34

SÃO PAULO - As Centrais Sindicais (CGTB, CUT, Força Sindical, CTB, UGT e Nova Central) realizarão nos próximos dias uma série de manifestações a favor do aumento do Salário Mínimo para R$ 580,00. "Nós temos um pacto com o governo de recuperar o salário mínimo gradativamente até 2023. O acordo, que utiliza o índice da inflação e a variação PIB de dois anos, serve como base para o aumento, e não o teto. Para que a recuperação ocorra é necessário ter aumento real, senão estaremos criando um hiato neste processo que se mostrou extremamente benéfico para o país", afirmou o presidente da CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil) e do Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação), Antonio Neto.

 

Entre as medidas adotadas pelos dirigentes está a divulgação de uma nota única expondo as razões para o governo conceder o aumento do mínimo acima dos R$ 540,00 propostos; a realização de uma manifestação no dia 18 de janeiro em São Paulo e o pedido de audiência com a presidenta Dilma Rousseff, a fim de retomar as negociações iniciadas com o governo no final do ano passado.

 

Neto destacou que as Centrais Sindicais estão cobrando do governo a retomada das negociações iniciadas em dezembro e que foram suspensas intempestivamente no final do ano.

 

"Quando a oposição apresentou uma proposta eleitoreira para aumentar o mínimo para R$ 600,00 e acabar com a política de recuperação, as centrais sindicais que apoiaram Dilma se posicionaram contra a demagogia. No mesmo período, a nossa presidente assegurou que concederia aumento real para o Mínimo neste ano. Agora precisamos debater qual será este patamar. Nós temos convicção de que é possível chegar aos R$ 580,00, valor justo e que será fundamental para a política de erradicar a miséria no país", acrescentou Neto.

 

Correção da Tabela do IR

 

As Centrais lutam também pela correção da Tabela do Imposto de Renda e pelo reajuste do salário dos aposentados que recebem acima do mínimo nos patamares de 2010, quando o governo concedeu um aumento que representou 80% do que foi dado ao piso.

 

As Centrais Sindicais e seus sindicatos filiados também ingressarão com ações na Justiça para solicitar a correção da tabela do Imposto de Renda e a devolução das perdas acumuladas desde 1995, cuja defasagem de reajuste já ultrapassa 70%, segundo dados Sindifisco Nacional. Na esfera política, as Centrais reivindicam que, no mínimo, a correção da tabela seja feita imediatamente com a inflação de 2010, evitando que os ganhos salariais conquistados no ano passado sejam corroídos pelo IR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.