Em MT, protesto está armado

Presidente vai a Cuiabá liberar R$ 500 milhões do PAC

Fausto Macedo e João Naves, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2031 | 00h00

Cuiabá - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega hoje cedo a Cuiabá para anunciar a liberação de cerca de R$ 500 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) a obras de saneamento básico. Além de rede típica cuiabana e da viola de cocho (o violão pantaneiro) - mimos com os quais o prefeito Wilson Santos, tucano, pretende brindá-lo -, Lula deve enfrentar vaias e manifestação de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Acampados (MTA). Servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Mato Grosso, em greve há mais de dois meses, também planejam engrossar o coro.Contra as vaias e os protestos levanta-se Blairo Maggi (PR), governador do Estado que detém o título de maior produtor de soja, algodão e carne bovina do País. Aliado do presidente desde a campanha da reeleição, Maggi planeja boas-vindas ao amigo."Tapete vermelho para o presidente, por tudo aquilo que ele está trazendo para o nosso Estado", decreta. "Todo mundo tem o direito de se manifestar, mas vaia para o presidente é uma grosseria.""Eu também vou vaiar Lula" é o nome do movimento que nasceu em um blog e aos poucos vai ganhando as ruas, com distribuição de adesivos e camisetas. A articulação tem a assinatura de Flávia Salem - empresária, casada com o dono do Circuito Mato Grosso, semanário cuiabano que se orgulha de sua independência da publicidade oficial - e Adriana Vandoni - economista, filiada ao PSDB, que mantém o blog Prosa e Política. Quinhentos adesivos com os dizeres "eu também vou vaiar Lula" foram produzidos, além de camisetas com a mesma frase. O PSDB não dá respaldo à manifestação de sua militante, mas também não a cerceia. MEL MILAGROSOAlém do lançamento do PAC, Lula vai visitar a imagem de Nossa Senhora de Fátima que estaria vertendo mel milagroso desde maio. A estátua está na casa de José Resek, de 68 anos, na periferia de Cuiabá. Segundo ele, a imagem foi comprada em 1999, um ano depois de ter se livrado, "milagrosamente", de um câncer. O mel, de acordo com Resek, tem curado várias pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.