Em Minas, FHC faz críticas a Itamar e Lula

O presidente Fernando Henrique Cardoso insinuou, em discurso na cerimônia de liberação de verbas para duplicação da Rodovia Fernão Dias, em Minas, que o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, ataca o seu governo por ser "preguiçoso" para aprender. Na véspera, último dia de sua Caravana da Cidadania pelo sul do Estado, Lula acusara o presidente da República de não ter um programa de governo, mas uma proposta feita pelo FMI. Fernando Henrique, que também criticou veladamente a postura oposicionista do governador de Minas, Itamar Franco (PMDB) - o presidente condenou o "ressentimento" e disse que "mineiro não é ressentido" - citou realizações de sua administração e, sem falar em nomes, atacou os opositores. "Já vi gente que aspira à Presidência da República que diz que o Brasil não tem plano de desenvolvimento", afirmou. "Transformam a preguiça deles em culpa nacional: eles não vão lá para ver nada, então dizem que nada acontece. Para construir um país, é preciso tempo, modéstia, paciência, capacidade de trabalho, olhar o que está acontecendo e não fazer juízo precipitado. Pode criticar, mas tem que conhecer. O desconhecimento, no mundo de hoje, é fatal. Porque o futuro é do conhecimento. Quem não for capaz de aprender - não por não ser inteligente, mas por ser preguiçoso, pois quem quer aprender, aprende - não pode governar." Entre a terça e o domingo passados, a Caravana da Cidadania, promovida pelo PT, percorreu cidades perto do lago de Furnas para denunciar a crise de energia e conhecer os problemas sociais causados pela baixa das águas. Na viagem, Lula acusou FHC de estar destruindo vários setores do País, sem construir nada em seu lugar. Apesar da sugestão, feita pelo petista, para que moradores e políticos da região Sul de Minas aproveitassem a visita do presidente para promover uma manifestação pedindo providências contra as conseqüências sociais e econômicas da diminuição do nível da represa de Furnas, nada aconteceu. Para uma platéia de políticos e convidados, no município de Três Corações, onde aconteceu a cerimônia, o presidente, veladamente, condenou a postura de Itamar Franco. "Nada pior do que o ressentimento, a mágoa, o desprezo, a atitude mesquinha: ?para este eu não dou (verbas), porque é contra mim, aquele fez não-sei-o-quê...?, eu não quero nem saber, quero ver se a obra é necessária." Mais adiante, voltou ao assunto: "O mineiro é generoso, o mineiro não é ressentido, o mineiro sempre foi uma pessoa de coração aberto", alfinetou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.