Em Miami, Bolsonaro volta a criticar governadores por ICMS

Após convocar ato nas redes sociais, presidente criticou adversários políticos durante almoço em churrascaria

Luís Eduardo Leal, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2020 | 22h36

SÃO PAULO – Um dia depois de usar as redes sociais para convocar manifestações pró-governo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar a resistência de governadores a baixar a cobrança do ICMS que incide sobre os combustíveis. O presidente estava em uma churrascaria em Miami quando gravou um vídeo em que comentou o assunto. 

“Pela quinta vez no ano baixamos o preço do combustível; a última foi 5% na refinaria. Sabe quanto baixou na bomba? Zero. Esse é o Brasil”, reclamou. “Quando eu falo de quem é a responsabilidade, o pessoal faz listinha, assinam 15, 20 personalidades para dar pancada em mim.”

Bolsonaro fez referência à divulgação uma carta, assinada há um mês por 23 governadores, que critica a proposta de alterar a cobrança do imposto sobre a gasolina e o diesel. “(Dizem que) ‘eu tô atingindo governador’. Não estou atingindo, estou mostrando uma realidade”, comentou Bolsonaro. 

No vídeo, publicado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Twitter, o presidente estava ao lado do ex-piloto Emerson Fittipaldi, bicampeão da Fórmula 1. O ex-piloto, que mora em Miami, encontrou a comitiva presidencial após um encontro de Bolsonaro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

“Quem paga a conta é a ponta da linha, não é apenas o consumidor mas (também) alguém que paga mais porque o frete ficou mais caro”, continuou. Ele acrescentou que o País tem os “pedágios mais caros do mundo e as piores estradas”.

A discussão sobre o ICMS marcou, há um mês, o início de uma articulação de governadores em oposição ao Executivo federal. Duas semanas após o primeira carta, 20 governadores assinaram outro comunicado, dessa vez dizendo que declarações do presidente “não contribuem para a evolução da democracia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.