Em MG, Aécio agora disputa com Pimentel

Aliados em 2008, governador e ex-prefeito estão em campos opostos nos preparativos da corrida estadual

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

04 de julho de 2009 | 00h00

Um ano após o lançamento da campanha vitoriosa do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), em uma polêmica aliança entre petistas e tucanos, o governador Aécio Neves (PSDB) e o ex-prefeito Fernando Pimentel (PT) estão agora em campos opostos. A composição, que se resumiu à eleição municipal, acabou por deflagrar antecipadamente a corrida pelo Palácio da Liberdade. Aécio prepara seu vice, Antônio Anastasia (PSDB), para disputar sua sucessão, enquanto o PT - que tem como pré-candidatos o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e o próprio Pimentel -, esboça o discurso de confronto ao PSDB. Aécio será alvo de críticas mais agudas se o candidato for Patrus, que se opôs à aliança em 2008. "Um discurso nosso tem de ter uma ênfase forte na dimensão social, que foi uma dimensão realmente muito fraca do atual governo, embora ele esteja fazendo agora algumas propagandas", disse ao Estado. Pimentel adota um discurso bem mais moderado. Para se colocar como opção à gestão Aécio - que tem alto índice de aprovação -, ele prega a continuidade com melhoria. "Não é mudar, é manter e melhorar", afirmou, sem criticar a gestão estadual. "Não está na hora ainda."TRINCHEIRASEm 10 de julho do ano passado, num evento marcado por provocações à Executiva Nacional do PT, Aécio e Pimentel estiveram juntos no lançamento oficial da campanha de Lacerda. A aliança teve a bênção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas irritou a direção petista, que proibiu a coligação formal. Após uma eleição mais difícil do que esperavam, Aécio e Pimentel consideram que a dobradinha, de qualquer forma, trouxe dividendos políticos para ambos. O ex-prefeito ganhou reconhecimento no interior do Estado e o governador reforçou a imagem de conciliador. Mas agora estão em outras trincheiras.Além de pré-candidato ao governo estadual, Pimentel foi designado por Lula para ajudar nos preparativos da campanha da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Aécio, por sua vez, tenta se viabilizar como candidato do PSDB à Presidência e iniciou uma estratégia para vincular sua imagem à do vice. Anastasia circula pelo interior do Estado com a desenvoltura de pré-candidato. Ainda pouco conhecido, ele assumirá o governo em abril de 2010, caso Aécio se desincompatibilize para a eleição. "A partir daí o governador de Minas Gerais é o doutor Anastasia", disse Aécio. As articulações no segundo maior colégio eleitoral do País, porém, dependem da definição do quadro sucessório nacional. Líder nas pesquisas, o ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB), pressiona por uma coligação com PT ou PSDB. Ele indica que não está disposto a se lançar num voo solo e diz que as dificuldades para um acordo que assegure um palanque único da base em Minas empurram o PMDB para um acordo com os tucanos no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.