EVARISTO SA|AFP
EVARISTO SA|AFP

Em meio ao impeachment, Dilma tentará recriar 'Conselhão'

Criado no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Conselho de Desenvolvimento Econômico Social vai ter como objetivo reunir lideranças sindicais, empresariais, sociais e religiosas para discutir caminhos para a saída da crise econômica

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2015 | 11h34

Brasília - Em meio ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o governo vai tentar reeditar o Conselho de Desenvolvimento Econômico Social, que foi criado durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003.

O chamando "Conselhão" vai ter como objetivo reunir lideranças sindicais, empresariais, sociais e religiosas para discutir caminhos para a saída da crise econômica e a retomada do crescimento. Sob o governo Dilma, o colegiado realizou a sua última reunião em julho do ano passado.

O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, foi escalado pela presidente para fazer o Conselhão voltar a funcionar. Segundo ele, a ideia é que a primeira reunião aconteça agora em janeiro.

Nesta sexta-feira, 18, o ministro se reuniu com o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Steiner, para discutir o assunto. Wagner reconheceu que a ideia estava abandonada e que é preciso voltar a mobilizar os representantes da sociedade. "Na verdade a gente está em um processo de remotivação dos conselheiros, porque como a gente não tinha reunião há muito tempo, eu diria que houve uma dispersão", afirmou.

Atualmente, fazem parte do quadro de conselheiros nomes de empresários como Abílio Diniz e Jorge Gerdau e representantes de movimentos sindicais, como o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas.

Em 2008, uma das principais ações do Conselhão foi debater as medidas para que a crise econômica mundial não atingisse o País em cheio. Uma das soluções adotadas por Lula na época, de promover políticas anticíclicas de aquecimento da economia, foi pensada com ajuda do colegiado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.