Em meio a novas denúncias, Dilma inicia giro pela África

Presidente começa viagem pela África do Sul, onde se reunirá com chefes de Estado do Ibas, para discutir parcerias comerciais.

João Fellet e Daniel Gallas, BBC

17 de outubro de 2011 | 14h06

Em meio a mais uma denúncia de corrupção no governo - desta vez envolvendo o ministro do Esporte, Orlando Silva -, a presidente Dilma Rousseff iniciou nesta segunda-feira sua primeira visita oficial ao continente africano.

Motivada por uma reunião na África do Sul do Ibas (fórum que reúne Índia, Brasil e África do Sul, as maiores democracias emergentes) nesta terça-feira, a visita ainda incluirá passagens por Moçambique e Angola e só se encerrará na quinta-feira.

Ao chegar ao seu hotel em Pretória, capital administrativa da África do Sul, a presidente foi indagada por uma jornalista se as denúncias contra Orlando Silva comprometiam o planejamento do Brasil para a Copa do Mundo de 2014. Ela, entretanto, não respondeu à questão e subiu direto para seu quarto.

Em reportagem publicada no fim de semana pela revista Veja, o ministro é acusado de participar de um esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo, que distribui recursos a ONGs para projetos de incentivo à prática de esportes por jovens. Silva nega as acusações.

Após a denúncia, o ministro - que estava no México, acompanhando os Jogos Panamericanos - regressou ao Brasil. Segundo relatos, a ordem para que ele voltasse foi dada por Dilma, que teria pedido que ele apresentasse explicações.

Prioridade

De acordo com um diplomata brasileiro, ainda que a primeira viagem de Dilma à África tenha sido motivada pela reunião do Ibas na África do Sul, a presidente decidiu visitar outros dois países para sinalizar que dará à África a mesma prioridade que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em seus oito anos de mandato, Lula fez 28 visitas a países africanos.

Na terça-feira, durante a reunião do Ibas, será discutida a posição do grupo em relação a temas globais, como a crise econômica, a segurança mundial e o desenvolvimento sustentável.

Antes, Dilma manterá encontro bilateral com Jacob Zuma, presidente da África do Sul, maior economia africana e uma das principais parceiras do Brasil no continente.

Entre os assuntos que deverão ser tratados no encontro, segundo um diplomata brasileiro, estão uma parceria entre a Embraer e empresas sul-africanas para a fabricação de aviões cargueiros e a compra de veículos não tripulados sul-africanos pelo Brasil.

Na quarta-feira, após a cúpula, Dilma iniciará um breve tour por dois países da África lusófona. Em Moçambique, maior receptor da ajuda externa brasileira, ela deve assinar acordos de cooperação técnica e se reunir com empresários brasileiros.

Na quinta-feira, Dilma visitará Angola, nação africana onde mais empresas brasileiras operam. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.