EFE/EPA/Wallace Woon
EFE/EPA/Wallace Woon

Em meio a guerra comercial, EUA e China fazem escolhas protocolares para posse de Bolsonaro

De acordo com o Itamaraty, 11 chefes de Estado e governo confirmaram presença na cerimônia

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2018 | 15h54

BRASÍLIA - Travando uma disputa pela hegemonia planetária e tendo a América do Sul como um ponto estratégico, Estados Unidos e China optaram por um tom neutro na cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro. Embora tenham circulado rumores que o presidente Donald Trump poderia vir à festa, os EUA serão representados pelo secretário de Estado, Mike Pompeo.

É um emissário de alto nível, porém com status na média dos que aqui estiveram de outras posses presidenciais. A China, por sua vez, enviou um vice-presidente do Congresso, Ji Bingxuan, igualmente mantendo o padrão para o Brasil.

Em meio a desconvites aos mandatários de Cuba, Venezuela e Nicarágua, um “bolivariano” deverá marcar presença na cerimônia: o presidente da Bolívia, Evo Morales. Depois de haver condenado o “golpe” contra a ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, ele tratou de moderar o tom na relação com o Brasil. Visitou o presidente Michel Temer em dezembro passado.

Apesar da diferença política, Evo tem uma questão importante a tratar: a renovação do fornecimento de gás para o Brasil. Vital para a economia boliviana, o contrato se encerra em meados de 2019 e a Petrobrás já sinalizou que pretende cortar suas compras pela metade.

O destaque internacional da festa ficará por conta do primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, que se encontra no Brasil desde a última sexta-feira. Ele contou que Bolsonaro lhe reafirmou o compromisso de mudar a embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém, o que representa o reconhecimento, pelo governo brasileiro, da reivindicação israelense sobre a cidade. A adoção da medida seria apenas uma questão de tempo, segundo informou.

Outro expoente da direita internacional, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, confirmou presença. Suas ideias contrárias à imigração foram discutidas num telefonema com Bolsonaro em novembro passado. Após a conversa, o presidente eleito se disse contrário à nova legislação brasileira sobre o tema, que considera aberta em excesso. O futuro chanceler, embaixador Ernesto Araújo, já anunciou que o País sairá do acordo de migrações da Organização das Nações Unidas (ONU).

O argentino Maurício Macri deverá ser a principal ausência entre os líderes da região. Ele deverá ser representado pelo chanceler, Jorge Faurie. Isso, porém, não significa um congelamento das relações. Macri já tem agendada uma reunião com Bolsonaro no dia 16 de janeiro. O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que o Mercosul não será uma prioridade no novo governo.

Sebastián Piñera, presidente do Chile, estará presente à festa. Logo após as eleições, Bolsonaro disse que o Chile é o primeiro país que pretende visitar. Além dele, estarão na festa os presidentes do Paraguai, Mario Abdo Benítez, do Uruguai, Tabaré Vázquez, do Peru, Martín Vizcarra. A Colômbia deverá estar representada pela vice-presidente, Marta Lucía Ramírez.

A Europa estará representada pelo presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza. A Espanha enviará a presidente das Altas Cortes Gerais (Parlamento), Pio García Escudero. Quando ainda era príncipe herdeiro, rei Felipe VI veio a duas cerimônias de posse no Brasil. A  Rússia enviou o presidente da Duma, Vychelsav Volodin.

De acordo com o Itamaraty, 11 chefes de Estado e governo confirmaram presença na cerimônia. Também estarão presentes três vice-presidentes, 11 chanceleres, 18 enviados especiais e três diretores de organismos internacionais. Nas últimas duas décadas, o representante do governo dos EUA de mais alto nível a uma posse presidencial foi o vice-presidente Dan Quayle. Ele veio para a posse de Fernando Collor de Melo, em 1990.

Na primeira posse de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, o então presidente George W.Bush enviou o representante de Comércio, Robert Zoellick, em meio a promessas, depois concretizadas, de o governo brasileiro detonar o projeto americano de criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Por causa disso, ainda durante a campanha de 2002,  Zoellick disse que o Brasil poderia fazer comércio com os pinguins da Antártida. Ao que Lula o classificou como “sub do sub”. A decisão de Bush de enviar Zoellick foi criticada pela imprensa norte-americana.

Então secretária de Estado, Hillary Clinton representou o governo norte-americano na primeira posse de Dilma Rousseff, em 2011. Foi esnobada. Seu pedido de audiência com a presidente brasileira não foi atendido, com a justificativa que a agenda estava cheia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.