Em meio a denúncia, prefeito de Curitiba tira férias e vai à Itália

Richa é alvo de acusação de uso de caixa 2 na campanha eleitoral do ano passado e pediu que MPF o investigue

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

13 de julho de 2009 | 15h42

O prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), que está sendo acusado de utilizar recursos não declarados à Justiça Eleitoral durante a campanha eleitoral do ano passado, decidiu tirar 15 dias de férias. Ele viajou no último domingo, 12, com a mulher e presidente da Fundação de Ação Social de Curitiba, Fernanda, e os filhos para a Itália. A previsão é que retorne ao Brasil no sábado, retomando os trabalhos na segunda-feira. Segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Curitiba, Richa não tem nenhuma atividade administrativa durante esse período.

 

As denúncias de caixa dois contra Richa foram levantadas a partir da divulgação de uma fita de vídeo em que integrantes de um comitê formado por dissidentes do partido PRTB aparecem supostamente recebendo dinheiro não declarado para apoiar o candidato do PSDB. O PRTB estava coligado com o PTB, que tinha o deputado estadual Fábio Camargo como candidato à prefeitura. Richa chegou a exonerar seis pessoas que apareciam no vídeo e trabalhavam em seu governo e pediu para ser investigado pelo Ministério Público Eleitoral.

A denúncia é apurada pelo Ministério Público Federal (MPF). O prefeito já foi ouvido pelo procurador regional eleitoral Néviton de Oliveira Batista Guedes e ressaltou nunca ter autorizado qualquer pagamento ao comitê. Segundo ele, todos os gastos foram registrados na prestação de contas.

Tudo o que sabemos sobre:
Beto RichaacusaçõesfériasItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.