Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Em meio à crise, oposição cobra Sarney por CPI da Petrobras

Dias pede ao presidente do Senado substituição de faltosos; se Sarney não realizar a troca, PSDB vai ao STF

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

07 de julho de 2009 | 12h01

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) propôs nesta terça-feira, 7,  ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), uma questão de ordem, pedindo a substituição dos membros faltosos da CPI da Petrobras-para garantir a sua instalação, conforme antecipou o estadao.com.br. Desde que o pedido de Dias, autor do requerimento da CPI, foi aprovado, manobras da base governista- como falta de quórum- vêm adiando o início dos trabalhos. Segundo Dias, não há mais negociação e Sarney tem prazo curto para realizar a substituição.

 

O tucano recorrerá com um mandado de segurança ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira, para garantir o direito da minoria, o que determina a CPI.

 

Após Dias, falaram no plenário o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE) e o líder do DEM, José Agripino (RN). Ambos também apelaram pelo início da comissão durante seus discursos. " Estamos suspendo a obstrução, dispostos a votar as medidas provisórias em nome de uma coisa que é obrigação nossa: instalar a CPI da Petrobras", disse Agripino.

 

Veja Também:

especial ESPECIAL: O que será apurado na CPI e a cronologia do caso 

 

A questão de ordem invocará o artigo 85 do regimento interno da Casa e dá ao presidente da Casa a prerrogativa de substituir membros da CPI que eventualmente estejam cerceando o direito da minoria ao não oferecer quórum, ou seja, ao não comparecerem.

 

A CPI da Petrobras é composta por 11 senadores e só três são da oposição. O requerimento de instalação da CPI foi protocolado há mais de 50 dias. A crise na Casa se agravou no dia 10, quando a existência de atos secretos foi descoberta. A CPI ficou em segundo plano.

 

Na semana passada, Dias disse ao estadao.com.br que, de sua parte, está encerrado qualquer entendimento com o governo pela CPI da Petrobras. " O medo é maior que qualquer escrúpulo. Para ser sincero, não tive a oportunidade nem de ouvir do (Aloízio, líder do PT no Senado) Mercadante. Mas não há necessidade. Está claro que estão nos enrolando. Não cumpriram compromisso da palavra empenhada", disse.

 

Segundo ele, que é autor do pedido da CPI,  a crise que atinge o Senado "faz bem ao governo porque eventuais desmandos do governo ficam acobertados".

 

Texto atualizado às 17 horas

Tudo o que sabemos sobre:
CPI da PetrobrasÁlvaro DiasPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.