Em Marabá, queixas de impostos elevados

Cidade cresce vertiginosamente, e muitos moradores atribuem êxito a esforço próprio

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2010 | 18h36

 

Foto: Keiny Andrade/AE

 

 

É difícil encontrar um marabaense em Marabá. Típico polo de atração da fronteira agrícola amazônica, essa cidade de 200 mil habitantes no sul do Pará é povoada de gente que veio de todas as partes do Brasil em busca de oportunidades na agricultura, na mineração, comércio e serviços. Esse magnetismo deu origem a uma classe média urbana empreendedora, com forte ligação com a economia rural a seu redor, que tende a atribuir seu êxito aos esforços próprios, e a ver no governo mais um estorvo que uma solução.

 

José Cláudio de Paula, de 38 anos, veio de Rubiataba, interior de Goiás, em 1996, depois que seu pai adquiriu uma fazenda na região. Em 2000, comprou uma parte da Casa da Roça, tornando-se um dos quatro sócios da rede de 12 lojas em 12 municípios do Pará. De lá para cá, abriram mais duas filiais e montaram uma fábrica de sal mineral. Seus clientes perto de Marabá criam principalmente gado; noutras áreas do sul do Pará, o forte é a soja.

 

Cláudio conta que o seu negócio cresceu entre 2002 e 2006. "Nos últimos quatro anos, estabilizou." Ele atribui a interrupção no crescimento ao fato de a empresa ter mudado seu regime tributário de lucro presumido para lucro real. "Passamos a pagar mais impostos, temos mais ferramentas para avaliar se estamos ganhando ou não e descobrimos que nossa margem de lucro é muito pequena."

 

"É normal que o governo aperte, ele tem de correr atrás do que é devido, mas, já que está arrecadando muito mais, e praticamente não existe sonegação, deveria diminuir a alíquota", propõe Cláudio, que cursou ensino médio. "O governo tem de aprender a conviver com porcentagem menor de imposto e a devolver em serviços para o contribuinte, o que não tem acontecido."

 

A única rodovia federal da região é a Transamazônica, que passa asfaltada dentro de Marabá, mas 20 km adiante prossegue de terra. "Há quantos anos a Transamazônica existe e nenhum governo resolveu o problema dela", indigna-se Cláudio. "Continua sem pontes, esburacada, cheia de atoleiros, quase intransitável nessa época de chuva."

 

Reserva. Cláudio também se queixa da exigência de 80% de reserva legal nas fazendas da Amazônia. Ele lembra que a União incentivou a vinda dos fazendeiros - incluindo seu pai - e a condição para a liberação de recursos era que os proprietários desmatassem - ou "abrissem", no jargão rural - pelo menos 50% das terras. "Era o contrário", aponta. "Estamos sendo obrigados a assinar TAC (Termo de Ajustamento de Conduta, com o Ministério Público) para regularizar nossa criação." Seu pai tem 800 cabeças de gado e 450 hectares. "Não é que piorou com a lei ambiental, mas precisava existir flexibilidade para deixar usar pelo menos 50% da área que foi desmatada, senão fica inviável."

 

À pergunta sobre que candidato é mais sensível a esses problemas, Cláudio responde: "Talvez hoje o que seria mais sensato - não vou dizer "melhor" - é o José Serra, que tem capacidade de implantar políticas viáveis para manter esse pessoal no campo. Dilma e Marina não têm conhecimento de causa."

 

É comum ouvir essas queixas em Marabá. "Tem uma política ambiental contra nós", acusa o empresário Seme Alcici Assaf, de 49 anos, distribuidor de frango e de embutidos, com 936 clientes espalhados por 30 municípios da região. "O Ibama nos trata como marginais. Dizem que está destruindo a mata, mas o americano não destruiu a dele?"

 

Seme aprova o governo Lula, por causa da repercussão do aumento do crédito, do emprego e do poder aquisitivo nos seus negócios. "Voto em quem gera emprego. Meu negócio é vender meu produto", explica. "Esse negócio de mensalão, tenho mais o que fazer do que ficar olhando o que o governo está fazendo, se estão roubando. Um dia prestarão contas com Deus." Seme votou em Serra em 2002 e em Lula em 2006, porque gostou do primeiro mandato. "Não pensei que ele fosse tão bom." Ele se identifica com o presidente: "Lula é peão igual eu. Saiu do nada."

 

Marabá foi uma das cidades que mais cresceram no Brasil nos últimos anos. Na Avenida Tocantins, no bairro Cidade Nova, onde seis pessoas se reuniram na padaria City Pão para conversar com o Estado, os preços dos aluguéis de apartamentos se equiparam aos de São Paulo.

 

A catarinense Cíntia Alves de Moraes, administradora de empresas de 36 anos, veio em 2007 de São Paulo, onde trabalhava na cooperativa de ônibus Nova Aliança, atendendo a um convite para implantar o bilhete eletrônico na cidade. "Nesse período, Marabá mudou muito", testemunha Cíntia. Mas ela não vê nisso papel do governo. "O desenvolvimento da cidade é de interesse dos empresários, e não dos governos", diz Cíntia. "O governo federal é falho, principalmente na saúde, na educação e na corrupção", critica Cíntia, que tem empresa de eventos em Marabá. Ela votou em Serra em 2002, em Geraldo Alckmin em 2006 e voltará a votar em Serra este ano. "Não confio na Dilma. Ela é só fantoche de Lula."

 

A City Pão começou com uma pequena padaria em 2005. Hoje é uma rede de três padarias e restaurantes e uma fábrica de pão. "Acho errado dizer que o governo não tem papel nisso", discorda Nádia, de 41 anos, irmã de Cíntia e gerente da City Pão. "Tudo o que o governo faz reflete no bolso. O governo Lula teve um lado legal, de incentivo ao pequeno agricultor. Criou oportunidades para produzir, mas muitos preferem viver às custas do governo."

 

Formada em administração, ela votou em Serra em 2002 e em 2006 justificou. Este ano ainda não sabe em quem vai votar. "Vamos ouvir as propostas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.