Em Manaus, protesto reúne 900 pessoas segundo PM

O Movimento 'Fora Dilma Amazonas' estimava a participação de até 30 mil manifestantes, mas o ápice do ato, na Avenida Djalma Batista, trecho final da passeata, reuniu até 900 pessoas, segundo o coronel da PM Cláudio Silva

Marcos Moraes, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

12 Abril 2015 | 15h51

Manaus - Com chuva e atraso de duas horas, a segunda manifestação contra o governo Dilma em Manaus, demorou para reunir mais manifestantes que policiais militares no centro da capital amazonense, na Avenida Eduardo Ribeiro, na manhã deste domingo, 12. Até às 11h30, o contingente da PM era de 420 militares, enquanto a passeata reuniu apenas 900 pessoas na partida, às 11h30, segundo a PM.


O Movimento 'Fora Dilma Amazonas' estimava a participação de até 30 mil manifestantes, mas o ápice do ato, na Avenida Djalma Batista, trecho final da passeata, reuniu até 900 pessoas, segundo o coronel da PM Cláudio Silva. "A chuva acabou atrapalhando, mas isso não foi motivo de vergonha para nós", avaliou Iza Oliveira, uma das organizadoras do movimento, que contabilizou 2 mil pessoas na manifestação.

Segundo Iza, o objetivo do manifesto era pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Também participaram da passeata outros cinco movimentos: Brasil Livre, Brasil Melhor, Maçonaria de Manaus, Força Sindical e um movimento que defendia a intervenção militar. Um trio elétrico e dois carros de som ajudaram a movimentar os manifestantes.

Mais conteúdo sobre:
protestosDilma RousseffManaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.