Em mais um texto sobre Temer, NYT destaca pronunciamento em que ele ataca Joesley

Em mais um texto sobre Temer, NYT destaca pronunciamento em que ele ataca Joesley

Pelo terceiro dia seguido, jornal norte-americano publicou texto sobre denúncias envolvendo o presidente brasileiro

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2017 | 11h45

NOVA YORK - O jornal The New York Times traz artigo neste domingo, 21, sobre o Brasil, o terceiro em três dias seguidos. O texto aborda o discurso feito no sábado, 20, pelo presidente Michel Temer em que realizou uma defesa contundente e atacou o empresário da JBS Joesley Batista de lucrar com informações privilegiadas antes da divulgação de conversas com ele. “Em um breve, mas combativo pronunciamento pela televisão à nação, o sr. Temer fez acusações explosivas contra o bilionário Joesley Batista, acusando-o de ‘insider trading’ e manipulação de fitas de áudio”, apontou o correspondente Simon Romero.

“Ele cometeu o crime perfeito”, disse Temer. De acordo com o The New York Times, o presidente destacou que não deixará o governo e que Batista se beneficiou financeiramente com “negócios nos mercados futuros” e o chamou de “criminoso” que fez denúncias e fugiu para Nova York.

A Comissão de Valores Mobiliários informou na sexta-feira que investiga a JBS por suposta manipulação do mercado em cinco processos e vai apurar se a companhia foi beneficiada por informações privilegiadas para adquirir dólar no mercado futuro e na emissão de ações pelo acionista controlador do grupo, a FB Participações. De acordo com o jornal americano, o presidente Temer também apontou que a recuperação da economia corre sério risco se seu governo for removido.

Segundo o The New York Times, o presidente destacou que foram “manipuladas e adulteradas” as conversas gravadas por Joesley Batista mantidas com Temer em março numa reunião em Brasília. “Temer está em terapia intensiva, numa condição muito séria, tentando sobreviver”, disse ao jornal o professor Paulo Baia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

“De acordo com testemunho divulgado na sexta-feira pelo Superior Tribunal Federal, executivos da JBS disseram que o sr. Temer recebeu perto de US$ 4,6 milhões em contribuições ilegais de campanha em 2014, quando foi candidato a vice-presidente na chapa com (Dilma) Rousseff e embolsou parte do dinheiro para si”, relatou o The New York Times. “O sr. Temer insistiu no sábado que é inocente de malfeito.”

Tudo o que sabemos sobre:
TemerMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.