Em Maceió, líder nas pesquisas tem 81% dos votos

Prefeito Cícero Almeida (PP) deve ganhar a disputa no primeiro turno

Ricardo Rodrigues, MACEIÓ, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2008 | 00h00

Há uma semana das eleições municipais, o prefeito Cícero Almeida (PP), candidato à reeleição, continua líder disparado na corrida à Prefeitura de Maceió. Se a eleição fosse hoje, Almeida venceria a disputa já no primeiro turno, com 81% das intenções de voto, segundo indica pesquisa do Ibope encomendada pelo Estado e pela TV Globo feita entre 13 e 15 de setembro. O resultado confirma a pesquisa anterior do Ibope, que foi a campo entre os dias 30 de agosto e 1º de setembro, quando o candidato do PP à prefeitura da cidade havia conquistado 80% das intenções de voto.A ex-ministra da Secretaria de Estado dos Direitos da Mulher Solange Jurema (PSDB) - que é a candidata apoiada pelo governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) - está empatada tecnicamente no segundo lugar com o deputado estadual Judson Cabral (PT), mas apresentou tendência de subida. Jurema tem hoje 6% das intenções de voto do eleitorado, ante 4% do petista. Na pesquisa anterior do Ibope, o candidato petista estava à frente na disputa, com 5%, e a ex-ministra tinha 3%. O engenheiro agrônomo Mário Agra (PSOL) e o sindicalista Manoel de Assis (PSTU) não atingiram o mínimo de pontos no levantamento. ?FUJÃO?O bom desempenho nas pesquisas de intenção tem afastado Almeida, o líder na disputa, dos debates com seus adversários. O fato tem gerado críticas dos candidatos da oposição, que chamam o prefeito do PP de "fujão" e o acusam de não querer discutir os problemas da cidade. O coordenador da campanha de Almeida, jornalista Marcelo Firmino, diz que não se trata disso. Ele argumenta que, como o tempo da campanha nesta reta final é curto, o prefeito e candidato à reeleição tem preferido empenhar-se no debate direito com os eleitores, dedicando-se a participar de palestras com empresários, estudantes, trabalhadores e lideranças comunitárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.