Vitor Jubini/Estadao - 05/12/2020
Vitor Jubini/Estadao - 05/12/2020

Em livro, Hartung aponta agenda para o Brasil e dá protagonismo à economia verde

Articulador político de destaque no cenário nacional, ex-governador do Espírito Santo apresenta temas para um ‘novo início nacional’; obra reúne artigos escritos para o ‘Estadão’

Luiz Vassallo, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2021 | 16h43

As discussões que envolvem a disputa presidencial do próximo ano convergem mais para os nomes que vão integrar as futuras chapas do que para as propostas de um governo que terá o desafio de tirar o Brasil de uma situação de grave recessão e crise social. Escrito por quem está dentro das intensas articulações políticas e debates da elite econômica do País, o livro Brasil: Desafios e Propósitos, do ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung, é parte de um esforço para se criar uma agenda de discussão dos problemas nacionais, com destaque para a chamada economia verde.

Economista por formação e político por dedicação, Hartung coleciona oito mandatos na vida pública. Sem disfarçar o orgulho, costuma lembrar que não perdeu nenhuma das oito eleições que disputou. Integrante da reorganização do movimento estudantil, na época militante do PCB, Hartung transitou do MDB para o PSDB, que ajudou a fundar no início de sua trajetória, que inclui três mandatos no governo capixaba (2003-2010 e 2015-2018), além de passagens pela Assembleia Legislativa do Estado, Congresso Nacional e prefeitura de Vitória. Saiu de seu último cargo público agraciado com a nota máxima na avaliação da capacidade de pagamento do Estado, conforme o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais de 2018.

A intensa carreira política foi permeada por experiências de gestão na iniciativa privada. Atualmente sem partido, ele preside a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) – a associação é responsável por representar a cadeia produtiva de árvores plantadas, cujo cultivo resulta em produtos como painéis de madeira, pisos laminados, celulose, papel, florestas energéticas e biomassa.

Com essa experiência, Hartung destaca no livro a necessidade de a agenda econômica do Brasil dar ênfase a investimentos em energia renovável. “O País é líder nessas tecnologias e já estamos indo além, desenvolvendo biocombustíveis produzidos a partir de biomassa renovável, com grande potencial para substituir boa parcela de derivados de petróleo”, disse. “Vale ressaltar que o Brasil, com ativos incomparáveis e experiências que no passado foram exitosas, tem plenas condições de estar na vanguarda desse movimento pró-economia verde, que é planetário e só se fortalecerá no pós-pandemia.”

Artigos

No formato e-book, o livro traz uma coletânea de artigos publicados na imprensa, principalmente textos escritos como articulista do Estadão. Além de temas como a economia verde e a descarbonização, o ex-governador do Espírito Santo se dedica a reflexões sobre a educação e a desigualdade social. Um dos artigos trata da urgência da “refundação” do País, um paradigma para debater a redução de nossas históricas carências sociais. Neste assunto, Hartung ataca um sistema de privilégios – representado por uma elite do funcionalismo – com o qual convive parcela significativa da sociedade que nem sequer tem acesso à educação básica.

“Nesse contexto, precisamos de uma reforma que vá além da criação do serviço público do futuro, como propõe o governo de forma teórica, mas que também reformule as atuais leis de carreiras. Muito mais do que a esperada e desejada redução e racionalização dos gastos públicos, a prioridade é a busca da eficiência e da qualidade na prestação de serviços, além dos necessários ganhos de produtividade, que são precondição para a retomada do crescimento sustentável e da geração de emprego e renda”, defendeu.

A falta de mobilidade social, na sua visão, se relaciona diretamente com a estrutura de Estado que vem sendo historicamente montada. “Basta olharmos para o getulismo, a ditadura militar e a Constituinte de 1988 e perceberemos o vulto fortalecido de um Estado concentrador de renda e de oportunidades, promotor de desigualdades.”

Hartung evita personalizar o debate, e parte da premissa de que gargalos como a desigualdade social, a falta de acesso à educação e os problemas econômicos “não são de um governo, ou de um curto período de tempo”.

No entanto, ao debater esses temas nas 87 páginas do livro, esboça críticas, por exemplo, aos “equívocos” na política econômica do governo da petista Dilma Rousseff. “O Brasil, depois de um significativo ciclo de crescimento, originado lá no Plano Real e turbinado pelo boom das commodities, entrou numa grave recessão. Com o equivocado manejo da política econômica, principalmente a partir de 2010, vivemos um brutal aumento do desemprego e de queda na geração de renda, incrementando a tragédia nacional de desigualdade e empobrecimento das camadas historicamente marginalizadas da população.”

Lideranças

O ex-governador capixaba também critica o “déficit de lideranças políticas que vem assolando o País já há algum tempo”. “Há um vácuo crescente de líderes que pensem, formulem e inspirem a modernização do Brasil em termos contemporâneos nos aspectos políticos, econômicos e socioculturais”, diz ele, que tem atuação destacada em movimentos de formação e renovação política como o RenovaBR.

“A liderança é o oposto do voluntarismo”, observa o ex-governador, um conselheiro próximo do apresentador de TV Luciano Huck. “Um líder genuíno é aquele que se faz compreender pela sociedade.”

No debate político sobre 2022, Hartung se firma como um defensor de um próximo governo de transição, sem reeleição. Ao introduzir na obra a ideia de um “novo início nacional” para a política, Hartung destaca que “o fim mais elevado destes tempos é a construção de um Brasil efetivamente democrático, social e economicamente inclusivo, que faça jus à sua pluralidade e ao seu vigor cultural, à sua capacidade ímpar de gerar riquezas”.

“Seja porque registramos níveis inacreditáveis de desigualdade no seio de nossa sociedade; seja porque a pandemia do novo coronavírus potencializou esse histórico e vergonhoso drama nacional, escancarando-o como nunca ocorreu; seja porque nosso sistema político e nossas garantias institucionais de liberdades individuais e coletivas experimentam ataques ferozes e inimaginavelmente eficazes em pleno século 21. Enfim, por essas e outras razões, é preciso que lancemos mão de forma extraordinária da política como meio de constituir um novo início para o Brasil.”

Hartung é cumpridor de uma agenda incansável no debate público. Além dos artigos, o livro reúne a transcrição da entrevista concedida para a série de podcasts Liderança e Arte da Política Econômica: Lições para o Presente e o Futuro, uma produção da Casa das Garças, no Rio. Nesta longa entrevista ele aborda suas experiências no governo do Espírito Santo.

Serviço

Brasil: Desafios e Propósitos

Autor: Paulo Hartung

Preço: R$ 24,99 (e-book)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.