Reprodução Facebook
Reprodução Facebook

Em live, Bolsonaro não comenta crise do PSL

Acompanhado de Luciano Hang, o presidente focou o discurso na economia

Daniel Galvão e Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2019 | 19h56

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro em sua live semanal na noite desta quinta-feira não mencionou a crise no seu partido PSL. Numa semana marcada por troca de cargos nas lideranças de governo e da legenda, com seus filhos sendo retirados do comando de diretórios estaduais e com especulações de trocas de legenda, Bolsonaro ignorou o assunto.

O presidente falou principalmente sobre medidas na Economia e começou a transmissão anunciando que a décima terceira parcela do Bolsa Família será paga também nos anos seguintes e não só em 2019, como prevê medida provisória assinada esta semana. 

Segundo Bolsonaro explicou, o 13º do programa "está garantido para os outros anos", pois "vai entrar na LOAS", a Lei Orgânica da Assistência Social, que tem um orçamento específico e concede benefícios a pessoas de baixa renda. A promessa de campanha de Bolsonaro era de que o benefício seria permanente, o que foi reforçado na transmissão ao vivo. 

O presidente disse que a economia está dando sinais de melhora e com isso a tendência é não ocorrer mais contingenciamento do Orçamento da União neste ano. Segundo ele, fala-se muito em contingenciamento do passado, mas, segundo observou, contingenciamento é deixar de gastar e se entrar recurso na economia, libera. "Como está entrando recursos na economia, a tendência é não haver mais contingenciamento", disse

Ao lado de Bolsonaro, o empresário Luciano Hang, da Havan, disse acreditar que no ano que vem serão criados quase 2 milhões de empregos. O presidente também destacou a criação de emprego no Nordeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.