Em jantar com PT, equipe econômica sai sem garantia de aprovação de ajuste

Responsáveis por várias sugestões de mudanças em medidas provisórias, bancadas do partido na Câmara e no Senado não sinalizam que vão manter textos apresentados pelo governo

Erich Decat, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2015 | 09h24

Brasília - Representantes da equipe econômica do governo Dilma deixaram jantar, na noite dessa segunda-feira, 16, com integrantes da bancada do PT sem a garantia de que as duas medidas provisórias com ajuste fiscal não sofrerão mudanças sugeridas pelo próprio PT.

A reunião contou com a participação dos ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento), Carlos Gabas (Previdência) e Pepe Vargas (Relações Institucionais). "Fui uma reunião de escuta, não de decisão", afirmou a deputada Maria do Rosário (PT-RS).

As bancadas do PT na Câmara e no Senado são responsáveis pela apresentação de várias emendas (sugestão de mudanças) à MPs 664 e 665, que tratam de ajustes em benefícios previdenciários e trabalhistas.

"Evidentemente que qualquer medida provisória que vai tramitar no Congresso há que se dialogar. Os ministros expuseram que estão dialogando com as centrais e todas as mudanças que eventualmente ocorrerem vão se dar no plenário das comissões", ressaltou o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE).

Segundo ele, a bancada de deputados irá apoiar a votação das duas MPs. "A bancada vota 100% nas medidas provisórias. Foi esse o sentimento expresso na presença dos quatro ministros. Para a surpresas de todos, o ministro Levy tranquilizou a bancada. Os ajustes são necessários em função daquilo que nós pretendemos reservar e chegar lá na frente", ressaltou Guimarães.

As MPs 664 e 665 foram apresentadas pelo governo federal no fim do ano passado. O ajuste fiscal endurece as regras de acesso a benefícios previdenciários como seguro-desemprego e a pensão por morte. Uma série de emendas foi apresentada, inclusive por deputados do PT, partido da presidente Dilma Rousseff. A expectativa da equipe econômica do governo é de economizar R$ 18 bilhões com a implantação das medidas de ajuste.

Nesta terça-feira, o congressistas devem iniciar as discussões das duas propostas após a instalação das comissões mistas. Após passar pelos colegiados, as matérias seguem para votação no plenário da Câmara e do Senado.

Em coletiva à imprensa realizada na tarde dessa segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff admitiu que seu governo pode ter cometido "algum erro de dosagem" na política econômica anticíclica adotada no primeiro mandato. "É possível que a gente possa até ter até cometido algum", declarou a petista, após a sanção do Novo Código do Processo Civil, no Palácio do Planalto. A fala da presidente foi a primeira após a onda de protestos contra a corrupção e contra o governo realizados no último domingo, 15.

Tudo o que sabemos sobre:
PTJoaquim Levy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.