Em jantar com DEM, Temer diz que reunirá líderes da base para pedir apoio em votações

No encontro, que deve ocorrer na próxima segunda-feira, 1º, o presidente em exercício vai focar na aprovação da pauta econômica defendida pelo governo

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2016 | 09h01

BRASÍLIA – O presidente em exercício Michel Temer disse na noite desta quarta-feira, 27, em jantar com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e outras lideranças do DEM, que convocará na próxima semana uma reunião com líderes de partidos da base aliada para pedir apoio ao governo no Congresso Nacional. O encontro deve ocorrer na segunda-feira, 1º, dia em que os trabalhos legislativos serão retomados após o recesso.

Segundo relatos dos participantes do jantar desta noite, Temer afirmou que usará a reunião da segunda-feira para pedir união e apoio da base aliada para aprovar a pauta econômica que o governo deseja. A prioridade será o projeto de Lei Complementar da renegociação dívida dos Estados com a União. A proposta será pautada já na primeira semana dos trabalhos da Câmara, como já informou o presidente da Casa.

Além de Temer e Maia, participaram do jantar no Palácio do Jaburu nesta noite o ministro da Educação e deputado federal licenciado, Mendonça Filho (DEM-PE), o presidente do DEM, senador José Agripino (RN), o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto, o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (DEM), e o secretário do Programa de Parcerias e Investimento do governo Temer, Moreira Franco (PMDB).

O encontro foi pedido pelo novo presidente da Câmara. De acordo com relatos, Temer e as lideranças do DEM discutiram sobre conjuntura, mas não aprofundaram o debate sobre os temas. As eleições municipais também foram tema das conversas. O presidente da República em exercício reforçou no jantar que não deve subir em palanques para evitar ciúmes ou outros problemas entre candidatos a prefeitos e vereadores de partidos da base aliada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.