Em Genebra, chanceler italiano cobra extradição de Battisti

Dilma tem evitado falar sobre o assunto, mas Patriota insiste que decisão não afeta a relação com a Itália

Jamil Chade, correspondente de O Estado de S.Paulo,

28 de fevereiro de 2011 | 13h07

GENEBRA - O ministro de Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, cobra do Brasil a extradição de Cesare Battisti. Em Genebra para reuniões sobre direitos humanos, o representante do primeiro-ministro Silvio Berlusconi insiste que não há outra alternativa senão enviar Battisti de volta para a Itália.

 

"O próximo passo tem de ser a extradição", afirmou o ministro. "Não há outra coisa a ser feita. Essa é o próximo passo (no processo)", afirmou.

 

O ex-ativista foi integrante do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e condenado pela Justiça de Milão à prisão perpétua por envolvimento em quatro assassinatos. Fugiu para o Brasil em 2007 e acabou sendo detido preventivamente pelas autoridades brasileiras, esperando a extradição para a Itália.

 

Mas no último dia de governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Executivo deu sinal verde para a permanência de Battisti no Brasil, o que causou a irritação do governo da Itália e do Parlamento Europeu.

 

Agora, aguarda na Penitenciária de Papuda a decisão final do Supremo Tribunal Federal. Os ministros do Supremo Tribunal Federal darão a palavra sobre o futuro de Battisti. Para os italianos, o ex-ativista deve ser tratado como um criminoso comum e cumprir a pena de prisão perpétua.

 

Relação bilateral. A presidente Dilma Rousseff tem evitado falar sobre o assunto. Mas o novo chanceler brasileiro, Antonio Patriota, insiste que a decisão de manter Battisti no Brasil não tem afetado a relação bilateral. "Todas as indicações que temos são de que há um grande apreço nas relações . O Brasil tem mais de 20 milhões de descendentes de origem italiana. Não identifico problema nessa situação", afirmou há dez dias.

 

Nesta segunda-feira, 28, Frattini também reforçou a ideia de que, apesar da pressão, o caso não afeta a relação bilateral. "Somos grandes amigos do Brasil e temos uma ótima relação de parceria", afirmou Frattini.

 

No início do mês Battisti entregou uma carta ao senador se defendendo e alegando que os crimes dos quais é acusado não foram de sua autoria. Segundo ele, os atos do grupo ao qual pertencia nunca provocaram "ferimentos ou a morte de qualquer ser humano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.