Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Em Fórum no Nordeste, Mourão fala em fim ao 'assistencialismo' na região

Vice-presidente participou de evento sobre metas socioeconômicas e ambientais em Mossoró (RN)

Higo Lima, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 16h47

MOSSORÓ - "Chegou a hora de o Semiárido deixar de viver de assistencialismo", provocou o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, durante solenidade de abertura do Fórum de Desenvolvimento do Semiárido, que inicia nesta quinta-feira, dia 3, e segue até sábado, dia 5, em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

O evento revisa o Plano de Desenvolvimento do Semiárido, com vistas às possibilidades econômicas da região para alcançar metas socioeconômicas, hídricas e ambientais após pandemia da covid-19. A iniciativa é capitaneada pela Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido, que junta 170 parlamentares.

Questionado sobre as medidas emergências do governo federal para a região, Mourão disse apenas que é preciso avaliar. "A grande tarefa de Bolsonaro será criar as oportunidades e condições para implementar tudo que aqui for discutido", concluiu no discurso.

Além do vice-presidente, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, também marca presença na abertura do Fórum. Ainda devem passar pela programação o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e os embaixadores dos Estados Unidos e de Israel, Todd C. Chapman e Yossi Shelley, respectivamente.

Fórum discute financiamento público-privado para levar água ao Rio São Francisco

Entre os planos do Fórum está a transposição eventual de água de bacias doadoras (Reservatório de Furnas, Rio São Marcos, Rio Tocantins e Rio Paranaíba) para abastecer o Rio São Francisco, criando barragens que viabilizem a regularização do abastecimento em toda a região. A intenção é abrir financiamento público-privado para que empresas do setor energético possam explorar e, assim, cobrir o custo da iniciativa, que chega a 4 bilhões de dólares.

Nesses três dias, a programação irá agregar investidores, pesquisadores, serviço público e iniciativa privada dos setores de energia, recursos hídricos, agronegócio, mercado, relações exteriores (comércio), recursos minerais, segurança (jurídica e fundiária), educação, turismo, meio ambiente, transporte e logística, tecnologias e inovação.

O evento é capitaneado pela Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido, que vem articulando a revisão do Plano de Desenvolvimento para a região - a primeira versão é dos anos 1990. O Semiárido brasileiro está demarcado por 1.262 municípios dos nove estados do Nordeste e mais uma parte do norte mineiro. Nessa fatia do País, a intermitência das quadras chuvosas é um grande desafio, que exige planejamento para garantir a convivência sustentável nas estiagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.