Em Fortaleza, houve tumulto na rua após debate na TV

Um confronto entre militantes do PC do B e do PSDB, ocorrido em Fortaleza depois do debate realizado pela TV Verdes Mares, na noite de quinta-feira, transformou a rua da emissora numa praça de guerra. O tumulto, durante o qual houve ataques com pedras, garrafas e paus, foi tão grande que os cinco principais candidatos à prefeitura da capital cearense só deixaram o local depois da pancadaria.A tropa de choque da polícia interveio com tiros de borracha e bombas de efeito moral para conter os ânimos. Vários manifestantes ficaram feridos, sendo socorridos por paramédicos que chegaram em ambulâncias ao local.A pancadaria começou quando os candidatos ainda estavam dentro do prédio, dando entrevistas.DebateO debate contou com a presença de cinco dos 11candidatos que disputam o cargo de prefeito da capital. Durante uma hora e meia, o clima da discussão transcorreu de forma amena e o ponto alto foi protagonizado pelos deputados federais Antonio Cambraia (PSDB) e Inácio Arruda (PC do B).Repetindo o clima de hostilidade da campanha, o tucano chamou Inácio de mau caráter e ressaltou que, a exemplo da eleição passada, Inácio Arruda tentara desestabilizar agora a candidata do PT, Luizianne Lins.Em 2000, Inácio Arruda atacou pessoalmente a senadora Patrícia Gomes, na disputa pela prefeitura. "Por que essa agressividade com as mulheres?", perguntou o tucano.Mau-caráterCambraia ressaltou, também, que Inácio Arruda tentou responsabilizá-lo pelo despejo de uma família no bairro de Genibaú, que foi muito explorado no programa eleitoral do PC do B. "Isso foi mau-caratismo e uma agressão ter usado uma mulher desesperada para fazer a acusação", disse o tucano, que, ao longo da semana, foi à televisão explicar que não tinha nada a ver com o despejo.O tucano tentou, ainda, intrigar Luizianne com Inácio, ao perguntar sobre "mais esta contradição" do PT, já que a petista não recebera o apoio integral do partido.Luizianne considerou o episódio lamentável e aproveitou a deixa para conclamar os petistas que estão apoiando Inácio Arruda a votarem nela. Ao mesmo tempo, acusou Cambraia de ter votado pela taxação dos aposentados inativos e, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, em favor de um salário mínimo menor. "Somente agora o senhor votou pelos R$ 275,00", completou.PreconceitoO candidato Inácio Arruda, por sua vez, fez um apelo ao eleitorado da esquerda, pedindo apoio para vencer os conservadores, numa referência ao PSDB e PFL que estão na dianteira das pesquisas. Por pouco, Luizianne Lins não deixava o candidato pefelista Moroni Torgan irritado.Ela quis saber sobre acusações de que, no cargo de secretário de Segurança Pública em 1997, teria comandado, com humilhações e perseguições, "uma guerra" contra os homossexuais de Fortaleza. "Nunca estimulei ninguém a desrespeitar a lei", respondeu Moroni."Quem transgredir a lei pagará por isso. Autoridade não me falta para ser prefeito de Fortaleza", completou.Além de Moroni, Cambraia, Luizianne e Inácio, participou do debate o candidato do PMDB, Aloísio Carvalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.