Em festa sindical, Lula credita a Dilma feitos de seu governo

Presidente condicionou melhorias na vida do povo à continuidade de seu programa político

CAROLINA FREITAS E WELLINGTON BAHNEMANN

01 Maio 2010 | 18h27

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva creditou realizações de seu governo à pré-candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff. Em seu segundo discurso neste Dia do Trabalho, o presidente disse que só haverá melhorias na vida do povo se houver continuidade.

Veja também:   Como foi a festa da CUT no blog Radar Político  

Ao lado de Dilma, ex-ministra de Minas e Energia e da Casa Civil de sua administração, o presidente citou o programa "Minha Casa, Minha Vida", de construção e facilitação de acesso à moradia própria. Em seguida, segurou a mão de Dilma e disse: "Este País nunca fez a quantidade de casas que estamos fazendo. Esta moça (Dilma) teve muito a ver com a coordenação do governo para que a gente pudesse chegar onde chegamos."

Lula destacou ainda a importância de os brasileiros o terem eleito presidente por duas vezes. "Este País já elegeu empresário, fazendeiro, general, advogado e professor, mas precisou eleger um metalúrgico para fazer o que tinha de ser feito para a classe trabalhadora", afirmou.

O presidente da República destacou a maior bandeira de seu governo, o programa de transferência de renda Bolsa Família, para criticar indiretamente o ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB ao Planalto, José Serra. "A única política social que tem em São Paulo é a feita pelo governo federal."

Junto com Lula e Dilma estava Aloizio Mercadante, pré-candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo, que criticou a situação dos transportes e da educação pública no Estado. "Está chegando a hora de mudar São Paulo. Temos de mudar São Paulo como mudamos o Brasil com Lula", disse.

O movimento "1º de Maio Unificado" foi promovido pela União Geral dos Trabalhadores, Nova Central Sindical e Central de Trabalhadores do Brasil. Mais cedo, Lula e Dilma participaram de evento da Força Sindical.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.