Marcos D´Paula/AE
Marcos D´Paula/AE

Em evento, Lula ouve pedido para ficar e Dilma recebe apoio

Ministra mandou 'um abraço, do coração' para o público que aplaudiu e gritou seu nome diversas vezes no Rio

Reuters,

29 de maio de 2009 | 14h51

Durante a inauguração de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na favela de Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ouviu da plateia gritos de apoio ao terceiro mandato e à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata à sucessão do presidente em 2010. O público, formado por cerca de mil moradores da comunidade, entoou coros "Fica, fica, fica (Lula)" e "Dilma, Dilma, Dilma".

 

"Espero que a profecia que diz que a voz do povo é a voz de Deus esteja correta", disse Lula, em resposta aos gritos da plateia.

 

Veja também:

linkLula perde gol contra Cabral ao inaugurar Complexo Poliesportivo no Rio

link Rio acelera PAC nas favelas de olho na disputa em 2010

link Após 2 anos, só 3% das obras entregues no País 

link O balanço do PAC 

 

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, fez um emocionado discurso na inauguração de obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) na comunidade de Manguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro. A ministra agradeceu ao público que a aplaudiu por diversas vezes, debaixo de chuva. "Gostaria de agradecer a solidariedade e a força que vocês têm me dado, muito obrigado a todos, do fundo do coração", disse. A palavra "coração" foi usada diversas vezes pela ministra.

Ela disse que o Brasil "estava parado" e voltou a crescer com o governo Lula, referindo-se à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), inaugurada hoje em Manguinhos, no âmbito do PAC, como "uma obra fantástica, que mostra a dignidade no tratamento ao povo brasileiro". Segundo ela, "o PAC era isso, resolver onde mais precisava". Dilma disse ainda que "hoje celebramos uma forma de fazer política que tem no coração e humanização da vida das pessoas o seu maior compromisso". Mandou ainda "um abraço, do coração" para o público que aplaudiu e gritou seu nome diversas vezes.

 

(Com Jaqueline Farid, da AE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.