Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Em evento esvaziado e sem candidatos, partidos lançam manifesto por união do centro

PSDB, PPS, PSD e MDB defendem pontes entre as legendas de olho nas eleições de outubro, mas nenhum pré-candidato participou do evento

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 17h41

BRASÍLIA - Em evento esvaziado e sem a presença de nenhum pré-candidato ao Palácio do Planalto, lideranças de PSDB, PPS, PSD e MDB lançaram nesta terça-feira manifesto defendendo a união dos partidos de centro nas eleições 2018 para Presidência da República. Dos 19 políticos presentes, a maioria (13) era do PSDB, legenda que tem o ex-governador paulista Geraldo Alckmin como presidenciável. 

+ Alckmin diz que Bolsonaro não vai para o segundo turno das eleições

Um dos principais idealizadores do documento, o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG) afirmou em discurso que o manifesto não visa tirar o protagonismo dos pré-candidatos, mas abrir portas e gerar pontes para diálogo entre siglas desse campo político. "Não queremos substituir a iniciativa e o protagonismo dos pré-candidatos, que são os maiores atores. Queremos nos restringir ao papel de fermento", afirmou o tucano, que é secretário-geral do partido de Alckmin.

Pestana disse que os signatários do manifesto vão procurar pré-candidatos das eleições 2018 e "pessoas centrais" de centro para tentar construir uma aliança. Entre elas, citou Alckmin; o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); o senador Álvaro Dias (Podemos-PR); a ex-senadora Marina Silva (Rede); e o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB) - todos eles pré-candidatos ao Planalto por seus respectivos partidos.

++ Eleições 2018: conheça os pré-candidatos à Presidência da República

++ O que os presidenciáveis pensam sobre a Reforma da Previdência?

Outro signatário do manifesto, o presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP), sugeriu em discurso uma reunião entre os dirigentes dos partidos que assinaram o documento - além de integrantes do PSDB, PPS, PSD e MDB, assinaram o manifesto políticos do PTB, PV, do DEM, além de cientistas políticos como Luiz Werneck Vianna, e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann (sem partido).

+ Pré-candidatos à reeleição, governadores são alvo de ações eleitorais

"Não estamos criando aqui inimigos, estamos definindo posições. Se vai ter a unidade de apenas um candidato representando, isso só o processo vai dizer. Mas esse (manifesto) foi o primeiro passo", declarou Freire. "A bola agora está com os candidatos. Lançamos a bola, mas queremos estar perto deles", afirmou o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), também signatário do manifesto.

++ Como os deputados federais são eleitos?

Representando especialistas, o historiador Alberto Aggio afirmou em discurso que o manifesto tem caráter político e não eleitoral. "Não tem uma candidatura, não postula um programa eleitoral. Esse manifesto cumpre a função de reorientação da política democrática brasileira. É uma saudável oxigenação do sistema político brasileiro", discursou o especialista.

No manifesto, as lideranças  apresentam 17 propostas para que o candidato à Presidência da República apoiado pelo grupo nas eleições 2018 defenda. Entre as medidas, estão "modernização" do licenciamento ambiental, reformas da previdência, com adoção de um sistema único para servidores e trabalhadores da iniciativa privada, e tributária, sem aumento de impostos. Também pregam manutenção no Bolsa Família, mas "recuperando seu caráter educacional".

FHC: eleições 2018 podem recuperar legitimidade democrática 

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) também foi um dos idealizadores do manifesto. Ele não esteve presente no lançamento, mas enviou mensagem na qual afirma que as eleições 2018 representam a chance de recuperar a "legitimidade democrática da autoridade política" e que o Brasil precisa recuperar a confiança no futuro e que não se chegará lá voltando ao "autoritarismo" ou ao "lulopetismo". 

"As eleições de outubro serão um divisor de águas na história do País. As lideranças políticas precisam enxergar que está em jogo a recuperação da legitimidade democrática da autoridade política ou a desorganização política, econômica e social do Brasil.", diz FHC na mensagem, sem mencionar o nome do presidente Michel Temer, que chegou ao poder em 2016 após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). (Igor Gadelha)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.