Em evento do PAC, Cabral chama Dilma de 'presidente'

Após a confusão, governador do Rio emendou: 'Quis dizer ministra Dilma. Já estou confundindo as bolas aqui'

Kelly Lima, da Agência Estado,

31 de março de 2008 | 11h40

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, cometeu ato falho nesta segunda-feira, 31, e chamou a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, de "presidente" em evento de lançamento de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), no Rio. "Este empreendimento também tem a rubrica da presidente Dilma. Opa, eu quis dizer ministra Dilma. Já estou confundindo as bolas aqui".   Veja também:   ESPECIAL: o balanço do PAC   Lula quer usar 'momento especial' para elevar País ao 1º mundo  Planalto dirá que Dilma foi alvo do dossiê FHC Planalto vai tirar Dilma da 'vitrine eleitoral' para 2010 PAC 'muda a cara' do Nordeste, diz Lula CPI terá dados que complicam ministros de Lula e FHC Documento do TCU não sustenta versão sobre 'banco de dados' 'Candidatura de Dilma em 2010 está morta', diz analista  Os ministros caídos  Entenda a crise dos cartões corporativos  IMAGENS: Os momentos de 'amor e ódio' de FHC e Lula    A ministra é a principal aposta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para sucedê-lo em 2010, mas a denúncia de que o vazamento dos gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tenha saído da Casa Civil pode tirar Dilma da "vitrine eleitoral" em 2010.   A maioria dos prefeitos dos 11 municípios que serão afetados pela obra do PAC também está no mesmo palanque que Cabral e Dilma, juntamente com os deputados estaduais e federais da região.   A inauguração das obras, que contou com a presença de Lula, Márcio Fortes (Cidades) e Edison Lobão (Energia), acontece em uma área onde será instalado o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Os investimentos devem chegar a US$ 8,4 bilhões para a região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.