Em evento, Argentina denuncia ?cerco? à imprensa

A imprensa da Argentina tem enfrentado "um clima crescentemente hostil" no último semestre, pressionada por "resoluções governamentais, manobras judiciais, declarações amedrontadoras de funcionários públicos, medidas de fato contra as mídias e ataques físicos a jornalistas".

GABRIEL MANZANO E ROLDÃO ARRUDA, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 09h33

Com essa denúncia, a mais dramática do dia, o delegado argentino na 68.ª Assembleia-Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Daniel Dessein, deu o tom do domingo (14), na sessão de leitura de relatórios da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da entidade. Desde sexta-feira, cerca de 450 jornalistas e donos de meios de comunicação participam do encontro, no Hotel Renaissance, em São Paulo.

Na sessão foram destaque, também, os relatórios do Brasil, da Venezuela, do Equador e do México, entre outros. Mas foi o depoimento argentino, acompanhado de um forte vídeo de 10 minutos sobre o que o governo Cristina Kirchner vem fazendo, principalmente contra o jornal El Clarín, que mais preocupou.

Em sua maior parte, o relato de Dessein detalha os métodos que o governo Cristina Kirchner tem utilizado para calar a mídia - um deles é o uso cada vez maior das verbas públicas em campanhas contra a mídia. Outro recurso do governo, apontou Dessein, é o uso escancarado das cadeias nacionais para falar a todo o País contra jornalistas e outros adversários.

"A presidente põe em perigo o direito da cidadania a estar informada", afirmou Dessein. Segundo seu relato, 15 mil emissoras e jornais argentinos estão no momento sob ameaça. "O governo não intimida só jornais, mas todo cidadão que se lhe anteponha", advertiu. Seu balanço revela que houve, no semestre, 161 ataques a jornalistas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
imprensaassembleiaSIPArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.