Em encontro, Serra apóia Lula em 'cruzada' pelo etanol

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), rivais nas eleições presidenciais de 2002, almoçaram hoje na sede da Braskem, em Paulínia (SP). Depois, travaram longo bate-papo durante toda a solenidade de inauguração da unidade da empresa para produção de 350 mil toneladas de polipropileno. Em meio a brincadeiras, Serra manifestou apoio à "cruzada" de Lula pelo etanol.Durante sua fala, Lula pediu diversas vezes parceria e empenho de Serra na batalha pelo etanol. O governador declarou total apoio à luta lançada pelo petista. Em seu discurso, Serra revelou, em tom de brincadeira, uma das conversas que teve com o presidente. "Me contaram que o Lula fez algo hoje em Campinas bastante grave para a nossa convivência", começou o governador, em meio à uma platéia muito atenta. "Ele vestiu a camisa da Ponte Preta. Vai ter problema na família e aqui em São Paulo. Não sei se é verdade, presidente." Lula, corintiano, não respondeu ao governador, que é palmeirense. Na hora da entrevista coletiva na saída da sede da Braskem, o presidente fez questão de puxar Serra pelo braço esquerdo para que o governador também desse sua palavra. Quando indagados sobre eleições, presidente e governador se esquivaram. Primeiro, Lula disse que não iria interferir na proposta de aliança entre PT e PSDB em Belo Horizonte. "Isso é problema do PT, não é do governo." Depois, o presidente passou a palavra ao governador. "Eleição é com o Serra." Mas o tucano evitou o tema, quando abordado sobre o apoio do PMDB a Gilberto Kassab (DEM) na corrida para a Prefeitura de São Paulo. "Não vou falar sobre eleição, tira o foco do que tratamos aqui."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.