Em encontro reservado, Lula pede moderação a Chávez

Presidentes se reúnem antes da cúpula da Unasul, que discute nesta 6ª o acordo militar entre EUA e Colômbia

Marina Guimarães, Agência Estado

28 de agosto de 2009 | 07h57

 O presidente Luiz Inácio Lula toma café da manhã nesta sexta-feira, 28, com o colega venezuelano Hugo Chávez antes da abertura oficial da reunião extraordinária dos presidentes da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), às 10 horas. Sozinhos na suíte presidencial do luxuoso hotel onde os 12 presidentes da organização estão hospedados, na cidade argentina de San Carlos de Bariloche, a 1.600 quilômetros de Buenos Aires, Lula vai reiterar a Chávez pedido para moderar o tom durante os debates com o colombiano Álvaro Uribe.

 

Veja também:

link Reunião põe à prova a real utilidade da Unasul

link Outdoor de senador na Colômbia fala para Chávez 'abrir os olhos'

link Grupo organiza passeata contra Chávez através do Twitter

som Ariel Palacios explica temas que serão discutidos na cúpula

forum Enquete: A instalação de bases dos EUA na Colômbia ameaça a região?

especial Especial: A trajetória de Hugo Chávez

 

Em sintonia com os esforços de Lula, a cidade foi preparada com cartazes com a frase "Bariloche respira paz". A preocupação do presidente brasileiro é de que Chávez transforme a cúpula em um palco de batalha contra Uribe e o governo dos Estados Unidos por causa da cessão de uso de bases colombianas aos norte-americanos.

 

Na quinta-feira, ainda em Brasília, Lula telefonou para Chávez, em Caracas, e pediu cautela nas discussões com Uribe. Fontes oficiais explicaram que "o objetivo de Lula é de aproximar posições entre Brasil e Venezuela, e evitar o aumento de tensões entre os países vizinhos". Lula lidera os esforços para reduzir as tensões criadas pelo acordo, que prevê o direito do uso de pelo menos sete bases colombianas por militares norte-americanos.

 

Em sintonia com os esforços de Lula, a cidade foi preparada com cartazes com a frase "Bariloche respira paz". A preocupação do presidente brasileiro é de que Chávez transforme a cúpula em um palco de batalha contra Uribe e o governo dos Estados Unidos por causa da cessão de uso de bases colombianas aos EUA.

 

O venezuelano publicou na véspera um longo artigo no jornal argentino "Página 12" no qual adverte os colegas sul-americanos de que os EUA e a Colômbia possuem um "plano político e militar orquestrado para acabar com a Unasul". Lula considera a reunião de cúpula fundamental para consolidar a Unasul como um bloco capaz de apresentar medidas concretas para administrar temas relevantes para os países envolvidos e estabelecer a confiança mútua entre os vizinhos.

 

'Documento secreto'

 

O presidente brasileiro quer que os debates ocorram em um tom tranquilo e que possam fortalecer a região e seus mecanismos como os conselhos sul-americanos de defesa e de combate ao narcotráfico. Não só Chávez, como Evo Morales, da Bolívia; Rafael Correa, do Equador; e a própria Cristina Kirchner, a anfitriã argentina, costumam subir o tom de discursos quando o assunto é atacar os EUA.

 

Nos últimos dias, Chávez argumentou que a presença militar dos EUA na Colômbia coloca a região "à beira da guerra". Ele desembarcou na quinta-feira no aeroporto de Bariloche prometendo divulgar um "documento secreto que revela as reais intenções do imperialismo ianque para a região". Já o colombiano adiantou que quer explicações sobre o acordo de cooperação que o Brasil mantém com a França, e os recentes acordos militares entre a Venezuela, Rússia, China e Irã.

 

O acordo, já fechado mas ainda não assinado, se tornou conhecido após Caracas ameaçar romper as relações diplomáticas com a Colômbia e Bogotá acusar o governo Chávez de querer intervir no país vizinho com um "projeto expansionista", em uma referência à influência que o venezuelano mantém sobre os governos da Bolívia e do Equador.

 

Os presidentes da Unasul começaram a chegar a Bariloche ainda na noite de quinta - Lula chegou por volta da uma da manhã. Os presidentes não fizeram declarações à imprensa, exceto a chilena Michelle Bachelet. "Viemos propor pontos de vista buscando uma solução para os problemas comuns", disse Bachelet aos jornalistas. "A Unasul deve enfrentar os desafios que existem com decisão política", ressaltou.

 

Os presidentes participam de café da manhã às 8h45, oferecido pela presidente Cristina Kirchner, e a reunião começa às 10h. Antes, haverá uma foto oficial do encontro. A previsão de término do encontro é às 13h30, com nova foto oficial, seguida por um almoço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.