Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Em encontro com ministros e parlamentares, Temer faz apelo por sustentação de seu governo

Presidente também voltou a criticar o dono da JBS, Joesley Batista, que o delatou nesta semana, e bateu na tecla de que a gravação teria sido ilegal

Leonêncio Nossa, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2017 | 21h34

BRASÍLIA – O presidente Michel Temer fez na noite deste domingo, 21, um apelo a ministros e líderes da base aliada para manter a sustentação do seu governo. Em encontro encerrado há pouco no Palácio do Alvorada, ele voltou a criticar o dono da JBS, Joesley Batista, que o delatou com áudios nesta semana. Temer bateu na tecla de que a gravação teria sido ilegal.

“O Brasil não pode se sujeitar a um rematado delinquente que está livre nos Estados Unidos”, disse, referindo-se ao empresário. A declaração de Temer foi repassada a jornalistas por um parlamentar presente no encontro. “Precisamos resistir pelo Brasil e pela ordem jurídica. O Brasil vai continuar funcionando”, teria completado.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se comprometeram a votar as medidas provisórias que trancam a pauta nos plenário das Casas. Maia chegou a fazer um discurso pedindo mobilização do parlamentares.

Pelo menos dos 14 dos 28 ministros de Temer estão no encontro: Henrique Meirelles (Fazenda), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), Moreira Franco (Secretaria Geral), Aloyzio Nunes (Relações Exteriores), Helder Barbalho (Integração Nacional), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia), Dyogo Oliveira (Planejamento), Osmar Serraglio (Justiça), Raul Jungmann (Defesa) e Ronaldo Nogueira (Trabalho). Bruno Araújo (Cidades), Mendonça Filho (Educação), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo).

Os senadores – e presidentes de seus respectivos partidos - Tasso Jereissati (PSDB-CE), Agripino Maia (DEM-RN) e Ciro Nogueira (PP-PI) também integram a comitiva de cera de 15 congressistas no encontro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.