Em documento, PPS apóia o governo mas critica economia

Documento divulgado pelo PPS reafirma o compromisso do partido com o governo, mas defende mudanças nos rumos da política econômica. No documento, o PPS diz que as expectativas em relação à situação econômica estão se deteriorando e que é visível a ameaça de ruptura da ordem pública, com o agravamento dos conflitos fundiários e a explosão da violência urbana. A nota do partido defendeu também ganhos reais para o salário mínimo sem, no entanto, propor valores. Na avaliação do PPS, o desenrolar dos conflitos fundiários "ultrapassa, muitas vezes, os limites da legalidade democrática". O documento observa ainda que "há parcelas do território brasileiro em que o monopólio do uso da força saiu das mãos do Estado e passou para as mãos do crime organizado"."É fato que a reação do governo a essa sucessão de revezes tem-se revelado, até o momento, tardia, pouco articulada e de eficácia duvidosa. Agrava a crise a percepção, crescente, de que a ação e os recursos políticos do governo são insuficientes para seu manejo e superação", diz a nota do PPS.Durante a reunião do diretório nacional, os dirigentes do PPS propuseram a construção de um amplo pacto nacional para tirar o País da paralisia. A cúpula do partido decidiu que até o dia 25 de maio vai elaborar um documento com sugestões para uma política de crescimento econômico e distribuição de renda. O documento será entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.