Carlos Humberto|STF
Carlos Humberto|STF

Em despacho, Teori reforça que material apreendido em operação vai para o STF

Em resposta a Lewandowski, ministro do Supremo reitera o que já havia decidido com liminar de suspender efeitos de ação da PF que prendeu agentes da Polícia Legislativa no Senado

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2016 | 19h50

BRASÍLIA -  O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), emitiu um despacho nesta quinta-feira, 27, esclarecendo que todos os objetos apreendidos pela Operação Métis no Senado devem ser encaminhados à Corte. Teori reforçou a sua decisão em resposta ao ministro Ricardo Lewandowksi, relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) protocolada no STF pela Mesa do Senado contra a ação da Polícia Federal.

Na ADPF, o Senado pede a devolução do material apreendido na busca e apreensão realizada na sexta-feira, 21, que levou à prisão temporária quatro policiais legislativos acusados de embaraçar as investigações da Operação Lava Jato. Todos já foram liberados.

Nesta quinta, Lewandowski perguntou a Teori se havia alguma decisão acerca do destino do material. "Em resposta à consulta formulada no aludido despacho, esclareço que, nos termos da decisão proferida, todos os objetos apreendidos em diligências determinadas naqueles autos, bem assim como em seus conexos, deverão ser encaminhados ao Supremo Tribunal Federal", respondeu o ministro.

Momentos antes, Teori concedeu medida liminar que suspende os efeitos da operação e remete o processo ao STF. A defesa do policial Antonio Tavares, um dos presos na operação, havia entrado com uma reclamação pedindo a anulação do inquérito. No despacho, o ministro afirmou que o Supremo deve ter à disposição "o inteiro teor das investigações promovidas". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.