Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Em derrota de aliados de Dilma, Lewandowski rejeita todos pedidos de suspensão do processo

Durante quase três horas, foram apresentadas oito questões de ordem, a maioria pedindo a descontinuação do processo de impeachment, com diferentes argumentos

Bernardo Caram, Ricardo Brito e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2016 | 13h36

BRASÍLIA - Em uma derrota para os aliados da presidente afastada Dilma Rousseff, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que conduz a sessão de pronúncia do impeachment da petista, negou todas as questões de ordem que pediam a suspensão do processo.

Durante quase três horas, foram apresentadas oito questões de ordem. A maioria pedia a suspensão do processo, com diferentes argumentos. Houve pedido de interrupção dos trabalhos para que fossem feitas novas oitivas, para julgamento pelo Congresso das contas de Dilma em 2015 e para que seja esclarecida a suposta citação a Michel Temer em delação premiada da Odebrecht.

“Realização de diligências em estágio tão avançado caberia ao plenário do Senado”, argumentou Lewandowski. “Fase processual que estamos vivendo é eminentemente oral”, completou. Ele negou a suspensão dos trabalhos para ouvir o procurador da República Ivan Claudio Marques, responsável por investigação das chamadas “pedaladas fiscais”.

Também foi negado o pedido de retirar o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) da relatoria do impeachment, por suspeição. Outra questão indeferida foi o pedido para retirar do processo a discussão sobre as pedaladas no Plano Safra.

No caso específico da suposta delação que cita Temer, Lewandowski argumentou que os fatos são “estranhos” ao processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.