Em delação, Costa cita diretor da Petrobrás ligado ao PT

Em delação, Costa cita diretor da Petrobrás ligado ao PT

Depoimento cita o ex-diretor Renato Duque como responsável pela arrecadação de dinheiro para partidos

Brasília, O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2014 | 16h26

Preso na Operação Lava Jato, o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa teria afirmado em depoimentos que a corrupção na estatal se estendia à diretoria de Serviços da empresa.

Costa, de acordo com reportagens da revista Veja e do jornal Folha de S.Paulo, citou o ex-diretor Renato Duque como responsável pela arrecadação de dinheiro para partidos. Ligado ao PT, Duque ocupou a diretoria entre 2003 e 2012.

No depoimento, segundo a Veja, Costa informou que a diretoria de Serviços possuía um orçamento mais robusto do que a de Abastecimento e indicou aos investigadores que a negociação das comissões era tratada diretamente com o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

Indicado ao cargo pelo ex-ministro José Dirceu, Duque, de acordo com a revista, teria transformado a diretoria de Serviços numa zona de exploração exclusiva do PT. A reportagem não localizou Duque. À revista, Vaccari negou as acusações.

Réu em duas ações criminais da Operação Lava Jato, uma delas por lavagem de dinheiro desviado da Petrobrás, Costa já tinha mencionado a participação de Nestor Cerveró, ex-diretor de área Internacional da empresa, em irregularidades. Perante a Comissão Interna de Apuração da Petrobrás ele empurrou para Cerveró a responsabilidade pela compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Ele respondeu a 10 perguntas. Indagado sobre Pasadena, afirmou que o processo de aquisição “foi totalmente conduzido pela área Internacional”, então dirigida por Cerveró. “Não participei em nenhum momento de negociações”, esquivou-se.

Para obter as vantagens da delação premiada, com redução de pena e liberdade antecipada, Costa deverá se manter à disposição da Justiça durante o tempo necessário para que as investigações sejam concretizadas, ajudando sempre que for necessário na busca de provas. É um contrato de longo prazo.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.