Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Roberto Jefferson se casa e menciona mensalão em declaração à noiva

Ex-deputado chora em cerimônia ao lembrar condenação por envolvimento em escândalo e agradece apoio da companheira

LUCIANA NUNES LEAL, Enviada especial

29 Maio 2015 | 13h14

Atualizado às 22h34

TRÊS RIOS - Em declaração apaixonada à noiva, Ana Lúcia Novaes, de 46 anos, no casamento realizado nesta sexta-feira, 29, pela manhã, em Três Rios (RJ), o ex-deputado Roberto Jefferson, de 61 anos, rememorou o escândalo que envolveu alguns dos principais líderes políticos do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Jefferson fez menção à investigação e a um dos episódios mais marcantes do mensalão, quando disse ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, em acareação na CPI dos Correios, que o petista lhe despertava os “instintos mais primitivos”.

“Minha linda, minha Ana, você desperta em mim o encanto pela vida, você me enternece, e a ternura faz de mim um ser humano melhor. Mas você desperta em mim os instintos mais deliciosamente primitivos”, disse o presidente de honra do PTB.

Antes dos risos motivados pela citação irônica, Jefferson havia chorado ao lembrar o processo, o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal, o câncer no pâncreas e a condenação a sete anos e 14 dias de prisão.

“(Ana) Sofreu ao meu lado as mais duras penas da minha vida. Nunca se lastimou, nunca se lamentou, nunca reclamou. Enfrentou com serenidade a CPI do Mensalão, a minha cassação na Câmara dos Deputados, o processo criminal, o tratamento do câncer, a minha condenação judicial e a minha prisão. Jamais se queixou, jamais blasfemou.” 

Lobo Mau. Após a cerimônia, os convidados almoçaram. Jefferson costuma dizer que se sentiu como o Lobo Mau ao se apaixonar por Ana, que gosta de sapatos vermelhos, e escolheu um par desta cor para o casamento. A brincadeira foi parar no bolo: os bonequinhos no topo traziam, no lugar do noivo, um Lobo Mau na coleira, preso pela noiva. Docinhos também estampavam a imagem do lobo.

Dentro do clima, o casal, após as fotos na casa de festas Ilha de Capri, na cidade de Três Rios (123 quilômetros do Rio), entrou no salão dançando ao som de “Born to be wild” (Nascido para ser selvagem). Jefferson, em discurso, agradeceu aos presentes e ordenou: “Vamos celebrar o amor”. “Ela me meteu na coleira. Deus me dê a força da emoção que estou sentindo para o desempenho na lua de mel hoje”, brincou.

Poucos políticos estiveram na festa: os deputados Benito Gama (BA), Campos Machado (SP) e Cristiane Brasil (RJ, filha de Jefferson), todos do PTB. “Não é uma festa política”, disse o noivo ao chegar.

Convidados deram aos noivos garrafas de champanhe Veuve Clicquot, que seriam servidas na festa. Mas Jefferson decidiu que não seria conveniente bebida tão cara no casamento. Serviu o espumante nacional Chandon e a cava (espumante espanhol) Freixenet. A comemoração custou R$ 100 mil, calcula o noivo, que reclama: “Querem botar preço no meu amor, e meu amor não tem preço”.

Jefferson cantou dois clássicos românticos. Para a chegada da noiva escolheu “Fascinação”. Para a troca de alianças, “Dio come ti amo”. “São músicas marcantes na nossa vida”, disse Ana.

Ele chegou tenso à casa de festa, surpreso com a chuva que caía desde a madrugada. “Não vou mentir, estou nervoso. Mandei vir uma tendas de última hora”, disse. Por volta das 11 horas, o sol abriu e o ex-deputado relaxou. 

Jefferson se irrita quando chamado de delator do mensalão. “Delação premiada é coisa de canalha”, repete. Ele afirma ter feito uma denúncia pública e que foi condenado a pena mais dura que outros políticos envolvidos. Em prisão domiciliar autorizada no dia 15, pelo menos uma vez por mês ele tem que se apresentar à Vara de Execuções Penais e é proibido de sair à noite, frequentar reuniões públicas e encontros partidários. Também não pode ingerir bebidas alcoólicas, mas já não bebe há dez anos. 

Nas rodas dos petebistas, o tema era o fracasso da tentativa de fusão do PTB com o DEM. A união, que chegou a avançar, é considerada remota por Machado, Gama e Cristiane, presidente nacional do partido. 

Jefferson e Ana estavam alheios às agruras políticas. Sobre o futuro político, o noivo desconversou. “O bastão agora está com Cristiane.” 


Mais conteúdo sobre:
Roberto Jefferson casamento mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.