Em Cuiabá, Serra volta a atacar Bolívia pela entrada de cocaína no Brasil

Para o pré-candidato do PSDB à Presidência, governo boliviano é conivente com exportação de drogas

Venilson Ferreira / CUIABÁ, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2010 | 19h37

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, voltou neste sábado, 29, a culpar o governo da Bolívia pela entrada de cocaína no País. Serra disse que "o governo boliviano é conivente com a exportação de drogas para o Brasil", o que "acaba com a vida de nossos jovens".

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifSerra: declaração da Bolívia vale nota de três reais

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifBolívia afirma que declarações de Serra são 'irresponsáveis' e 'político-eleitorais'

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPara Dilma, Serra demoniza Bolívia

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifTucano reitera críticas feitas ao país vizinho

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifRelembre a crítica de Serra que gerou a crise

 

Em relação ao financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) para a construção de uma rodovia em território boliviano, o ex-governador de São Paulo defendeu que o governo brasileiro exija como contrapartida o controle sobre o tráfico de drogas.

 

Serra participou neste sábado à tarde, em Cuiabá, do lançamento da pré-candidatura do ex-prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), ao governo do Estado. No encontro com lideranças do PSDB, PTB e DEM, um dos temas abordados foi a permeabilidade e a necessidade de reforçar a segurança dos 710 km de fronteira seca do Mato Grosso. Em discurso, Serra destacou a segurança, a saúde e a educação como áreas principais de sua proposta de governo.

 

Durante o ato político, o pré-candidato do PSDB à Presidência recebeu o apoio de parte dos militantes do PPS, que no Estado estão divididos entre as candidaturas de Wilson Santos e Mauro Mendes (PSB). O ex-governador de São Paulo disse ter conversado sobre a situação do PPS no Mato Grosso com o presidente do partido, Roberto Freire, que teria garantido ao tucano o apoio do partido no MT.

 

Vice

 

Serra repetiu que o fato de ainda não ter um candidato a vice não o "angustia". "Com certeza, em junho, teremos." Serra explicou que tem evitado o tema para não dar margem a especulações.

Mais conteúdo sobre:
Serra Bolívia tráfico de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.