Edson Lopes Jr|Governo de SP
Edson Lopes Jr|Governo de SP

Em Cuiabá, Alckmin defende reformas para o País 'voltar a crescer' 

'O momento é esse. O ambiente político é favorável', disse o governador de São Paulo, que cobrou pressa do presidente Michel Temer, durante entrevista a uma TV local

Fátima Lessa, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2016 | 16h38

CUIABÁ - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu nesta sexta-feira, 7, em Cuiabá a agenda da competitividade para que o país volte a crescer. Segundo ele, essa agenda virá com a aprovação das reformas. "As reformas são urgentes", disse, acrescentando que a política fiscal precisa de muito rigor. Ele defende também uma política de juros mais baixos, uma política cambial competitiva para retomada do crescimento. "O momento é esse. O ambiente político é favorável." Para ele, o grande compromisso do PSDB hoje é com o retorno do crescimento. "O presidente Michel Temer precisa fazer as reformas e pisar no acelerador do crescimento", disse.

Sem assumir oficialmente sua candidatura para presidente em 2018, o governador defendeu a reforma política partidária e também a realização de prévias no PSDB para a escolha do candidato em 2018. "Sou fã das prévias", afirmou.  Em entrevista a uma TV local, ele lembrou que foi neste sistema que o presidente Obama conseguiu disputar as eleições dos Estados Unidos. Também citou a importância do processo para a escolha de Dória, para disputar as eleições de São Paulo pelo partido. 

 

O governador esteve hoje em Cuiabá, cumprindo a agenda de lançamento dos testes clínicos da vacina contra a dengue produzida pelo Instituto Butantan. Antes, ele fez o lançamento em Brasília. As próximas cidades serão Recife (PE)e Belo Horizonte (MG). A expectativas é que esta etapa denominada etapa de recrutamento encerre em julho de 2017. Em torno de 17 mil voluntários de 13 cidades das cinco regiões  do País serão acompanhados pelos próximos cinco anos. Esta é a terceira e a última etapa de testes. Na etapa anterior, a vacina foi testada em 900 pessoas, sendo 600 voluntários dos Estados Unidos e 300 de São Paulo. Os  resultados foram satisfatório. Diante desses resultados, a expectativa é que até 2022 a vacina possa ser liberada pela Anvisa e distribuída pelo SUS. O grande diferencial é que ela será administrada em dose única e é tetravalente, pois combate os quatro vírus da dengue. Outros dois laboratórios internacionais já têm vacinas contra a dengue. O francês Sanofi, com cobertura de 69%, em três doses, e o japonês Takeda, duas doses.

Depois do lançamento dos testes da vacina, Geraldo Alckmin participou de entrevistas em estúdios numa rádio e TV local. Nas duas entrevistas, além da falar sobre a importância da vacina, ele defendeu as reformas, a agenda de competitividade e realização de prévias. Para ele "um conjunto de fatores contribui para o fraco desempenho do PT nestas eleições". O recado foi dado e é esse: "São Paulo tem pressa", afirmou. 

Sobre a reforma política, ele destacou: "Temos o melhor sistema de apuração e o pior sistema político partidário". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.