Em conversa de 10 minutos, Dilma cumprimenta Obama

A presidente Dilma Rousseff conversou, no início da tarde desta quinta-feira, com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para cumprimentá-lo pela reeleição. Na conversa, que durou 10 minutos, Dilma afirmou a Obama que sua reeleição foi "importante para o Brasil e para o mundo", e que o cumprimentava em nome do governo e do povo brasileiro pela bem-sucedida campanha.

LISANDRA PARAGUASSU, Agência Estado

08 de novembro de 2012 | 17h18

De acordo com a Secretaria de Imprensa da Presidência, Dilma disse ainda que, durante o segundo mandato do presidente americano, os dois países terão oportunidade de ampliar suas relações, especialmente nas áreas comercial e de investimentos, e que esperava voltar a reencontrá-lo em breve.

Obama agradeceu o telefonema e disse que nesse momento está empenhado em resolver problemas do orçamento norte-americano, que está sendo negociado no Congresso, mas também tem a expectativa de reencontrar a presidente brasileira "assim que possível". Obama, que se declarou "muito feliz" com a chamada, afirmou que "valoriza bastante a amizade e a parceria" com Dilma e "tem muito apreço" pelo povo brasileiro. O presidente americano concordou que existe muito potencial na relação entre os dois países e na possibilidade de expansão de investimentos e comércio e que gostaria de fortalecer as relações com o Brasil nesse segundo mandato.

O telefonema foi feito do Palácio do Alvorada, enquanto a presidente almoçava com o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), os ministros da Educação, Aloizio Mercadante, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

A intenção era ter feito o telefonema na quarta-feira(7), mas a Casa Branca informou que Obama não estava ainda recebendo cumprimentos por ser o primeiro dia depois da eleição. Os telefonemas dos chefes de Estado foram marcados para esta quinta-feira, em horários predeterminados.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaObamatelefonema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.