Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Em casa, Aécio mantém contato com aliados

Tucano passou o dia desta quarta-feira, 27, com sua mulher e os filhos no imóvel alugado pelo Senado no Lago Sul, bairro nobre de Brasília

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - Afastado do mandato pela segunda vez neste ano em decorrência das acusações criminais da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, e com a liberdade restringida no período noturno, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) passou o dia desta quarta-feira, 27, com sua mulher e os filhos na casa alugada pelo Senado no Lago Sul, bairro nobre de Brasília. O tucano esperava uma notificação do Supremo Tribunal Federal, mas o oficial de Justiça não bateu à sua porta.

A casa branca permaneceu fechada, com janelas e persianas cerradas. Os jornais do dia nem sequer foram recolhidos na porta da entrada social. A reclusão contrasta com a movimentação intensa de conselheiros e aliados que marcou, em maio, o primeiro afastamento do senador. No auge da divulgação das gravações em que o tucano pedia dinheiro a Joesley, quando a Procuradoria-Geral da República chegou a pedir sua prisão (o que foi negado duas vezes pelo Supremo), a irmã Andrea Neves e o primo Frederico Pacheco foram presos, flagrados cuidando dos trâmites do pagamento em dinheiro – propina, segundo delatores e investigadores. O episódio custou ao ex-presidenciável o comando do PSDB.

Segundo funcionários da residência parlamentar, Aécio passou o dia trabalhando. O senador manteve-se a par das articulações no Senado para derrubar a decisão do Supremo, em contato direto com seu aliado, o senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), que o visitara na véspera, assim como o vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

Anastasia foi o pivô da reação tucana monitorada por Aécio. O tom buscou focar na preservação da independência entre os poderes da República, uma tentativa de desvincular os discursos na tribuna de uma defesa do senador. Ele classificou a decisão do Supremo como “uma mácula na harmonia entre os poderes” e disse que “o equilíbrio era fundamental para evitar a ditadura de um poder sobre outro”. 

Cunha Lima disse que Aécio se mostrou “perplexo” com a decisão, comparada a uma prisão domiciliar pelos tucanos. “Ele se considera injustiçado, foi assim que ele reagiu”, disse ao Estado o criminalista Alberto Toron, advogado de Aécio. 

Toron afirmou que não cabe recorrer ao plenário do Senado e preferiu aguardar a publicação do acórdão pelo tribunal e os “atos concretos do Senado”. 

Como o presidente interino, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), estava nos Estados Unidos para exames de saúde, o diretório nacional do PSDB não se posicionou oficialmente sobre a suspensão de seu presidente afastado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.